Til (obra de José de Alencar)

“Como as flores que nascem nos despenhadeiros e algares, onde não penetram os esplendores da natureza, a alma de Berta fora criada para perfumar os abismos da miséria, que se cavam nas almas, subvertidas pela desgraça.”

(Trecho de Til)

Publicada no ano de 1872, a obra de José de Alencar, Til, é um retrato das características encontradas na vida do campo e nas tradições rurais da época em que foi lançada. O romance do escritor é considerado como parte de sua fase regionalista, pois demonstra apego às descrições da vida campesina, completando as suas obras de cunho regionalista que são: O Tronco do Ipê, O Sertanejo e O Gaúcho. Outra característica da obra é a construção dos personagens de uma forma idealizada, atributo do Romantismo, escola literária da qual a obra faz parte.

A personagem principal da obra é Berta, que é apelidada de Til. Ela é o símbolo da heroína romântica idealizada, sua beleza é enfatizada por diversas vezes por José de Alencar, assim como sua compaixão e empatia com João Fera, o vilão da história. Além de Berta, outros personagens do livro são Luís Galvão, pai de Berta e marido de dona Ermelinda. Linda, que é filha de Luís Galvão, amiga de Berta e apaixonada por Miguel, que por sua vez é apaixonado por Berta, mas passa a gostar de Linda aceitando a sugestão da mulher que realmente ama.

Na época da produção de Til, José de Alencar, junto a outros artistas e escritores da época, buscavam uma identidade nacional nas artes. Na literatura, Alencar buscou mostrar os valores nacionais, a exaltação desse sentimento convergente ao Romantismo, que trazia características como a valorização do passado, liberdade criadora, emoções, olhar subjetivo, espiritualidade, idealismo e individualismo.

A cidade que José de Alencar utiliza para a ambientação do romance é Campinas, localizada no interior de São Paulo. Nessa região encontram-se aspectos sociais conflitantes e o escritor demonstra-os no livro. Por exemplo, Miguel é um homem pobre e marginalizado que precisa terminar os estudos na capital se quiser se casar com Linda. Entre outros temas, o romance apresenta festas regionais caipiras como a de São João e o namoro que envolve essa data.

Por sua delicadeza e sensibilidade com as outras pessoas, Berta é sempre comparada a uma flor. Ela surge, em um primeiro momento, como uma flor bonita e imatura. Depois, com o decorrer da história, aparece como uma flor repleta de abnegação de caridade, uma alusão que o escritor faz ao desabrochar das flores. Um dos trechos que representa isso é:

Manhã: "Eram dois, ele e ela, ambos na flor da beleza e mocidade" e no Poente: "Era a flor da caridade, alma soror"

Fontes:
ALENCAR, José de. Til. 2. ed. São Paulo : Melhoramentos
http://pt.wikipedia.org/wiki/Til_(livro)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_de_Alencar
http://www.abcdamedicina.com.br/til-de-jose-de-alencar-resumo-caracteristicas-da-obra-personagens.html

Arquivado em: Livros