Intoxicação por Chocolate em Cães

Graduada em Medicina Veterinária (UFMS, 2009)

Diversos alimentos que fazem parte da alimentação dos seres humanos não devem fazer parte da dieta dos cães, dentre eles estão o café, a cebola, o alho e o chocolate, sendo este último o responsável pela maior parte das intoxicações alimentares em cães.

Compondo o chocolate estão carboidratos, aminas biogênicas, neuropeptídeos e metilxantinas (cafeína e a teobromina), com o problema residindo exatamente nessas últimas.

A teobromina, que é encontrada no chocolate em quantidade bem superior a cafeína, é a mais perigosa para os cães, sendo que a quantidade dessa substância aumenta de acordo com o teor lipídico do chocolate, sendo maior em chocolates amargos. Contudo, a cafeína, embora seja encontrada de 3 a 4 vezes em menor quantidade no chocolate do que teobromina, também contribui para o quadro de intoxicação.

As metilxantinas são altamente lipossolúveis, atravessando com facilidade as barreiras hemotoencefálica e placentária, sendo absorvida rapidamente pelo trato gastrointestinal. Após cair na corrente sanguínea, estas substâncias alcançam diversas partes do organismo e, quando no sistema nervoso central, competem com a adenosina, que é um inibidor pré-sináptico neuromodulador, ocasionando então excitação.

As manifestações clínicas podem surgir concomitantemente ou de forma isolada, tipicamente dentro de 6 a 12 horas após a ingestão de chocolate, podendo persistir por até 3 dias, e inclui diarreia, vômito, polidipsia, poliúria, excitação, tremores, taquicardia ou bradicardia, febre, respiração acelerada, convulsão e coma. Em alguns casos, também pode ocorrer hemorragia intestinal, dentro de 12 a 24 horas após a ingestão de chocolate.

A teobromina tem meia-vida de 17,5 horas, mas pode permanecer no organismo cerca de 6 dias após ser ingerida, pois ela é excretada pelo fígado e não pelos rins. Desta forma, a quantidade tóxica não precisa ser ingeridas de uma só vez.

A dose tóxica varia de acordo com o porte físico do animal, a sensibilidade do animal à teobromina e também com o tipo de chocolate que é ingerido. Contudo, se um animal de cerca de 2 kg ingerir uma barra de chocolate ao leite de 120 g, isso pode ser letal. Em um cão de porte maior esta dose pode não ser fatal, mas pode levar a manifestações gastrointestinais e/ ou até neurológicas.

Não há um tratamento específico para a intoxicação por chocolate, sendo feito somente tratamento suporte. O correto é levar o animal o mais rápido possível ao veterinário para que o mesmo tome as medidas adequadas. Quando a ingestão for recente (até 3 horas) deve ser feita a indução do vômito. Já quando o chocolate, por ser composta de lipídios, pode aderir-se à mucosa gástrica, devendo-se então fazer uma lavagem estomacal. A fluidoterapia deve ser realizada, visando fazer uma correção dos eletrólitos, bem como a reidratação do animal.

Fontes:
http://www.saudeanimal.com.br/rogerio_intoxicacao_choco.htm
http://www.webanimal.com.br/cao/index2.asp?menu=intoxicacao_chocolate.htm
http://petcare.com.br/blog/intoxicacao-por-chocolate-em-caes/

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Medicina Veterinária