Reticuloperitonite Traumática

A reticuloperitonite traumática ocorre com a perfuração da parede do reticulo por um corpo estranho pontiagudo. A maior parte dos casos é devido à ingestão de corpos estranhos no alimento preparado. Farpas de madeira ou pedaços de arame que passam pelo moinho, alimentos em pedaços ou forragem cortada são as causas mais comuns de lesão. O gado leiteiro adulto é mais frequentemente acometido devido á exposição mais constante.

Esta afecção possui importância econômica significativa em consequência da enorme queda de produção que gera e também à alta mortalidade. Muitos casos não são notados, enquanto outros se recuperam espontaneamente.

A falta de discernimento oral em bovinos leva-os a ingerir corpos estranhos. Estes podem alojar-se no esôfago causando obstrução, ou na goteira esofágica levando à êmese, mas na grande parte das vezes vão diretamente ao retículo. Muitos acabam por se alojar nestes locais sem causar lesão, mas a estrutura de revestimento semelhante à rede do retículo proporciona muitos locais de fixação do corpo estranho, e as contrações reticulares são suficientes para empurrar um objeto pontiagudo contra a parede desse órgão. Normalmente, as perfurações ocorrem na porção inferior da parede anterior, mas pode ocorrer lateralmente em direção ao baço e medialmente em direção ao fígado.

Inicialmente, a reação da perfuração é uma peritonite local aguda, gerando atonia ruminal e dor abdominal. O começo da doença é súbito, com anorexia completa e agalactia (no decorrer de 12 horas). Em 100% dos casos há presença de dor abdominal subaguda, o animal reluta em movimentar-se, fazendo-o apenas vagarosamente; caminhar é acompanhado de gemidos, em especial, quando o animal desce rampas; a ruminação cessa e os movimentos ruminais ficam ausentes ou pelo menos diminuídos; presença de moderada febre; contagem leucocitária elevada com desvio à esquerda.

O diagnóstico é feito baseado no histórico e no quadro clínico do animal, bem como exames laboratoriais. A paracentese deve ser feita sempre que for possível, junto com a contagem de células sangüíneas, exame do líquido peritoneal. O exame radiográfico é considerado um método preciso de diagnóstico. Detectores de metais são muito utilizados no diagnóstico de reticuloperitonite traumática. A presença de corpos estranhos metálicos e sua localização podem ser precisamente determinados pela parede abdominal, no entanto, esses instrumentos possuem um uso limitado, pois muitas vacas leiteiras normais (80%) apresentam resultado positivo.

Os dois métodos de tratamento de uso comum são o tratamento conservador, com ou sem o uso de imã, e a ruminotomia, sendo que a escolha é  orientada pelos aspectos econômicos e pelo tempo disponível para realizar a cirurgia. O primeiro compreende a imobilização do animal, a administração de antibióticos para controlar a infecção e se possível, a administração oral de um imã para imobilizar o corpo estranho. Já o caso cirúrgico, é amplamente utilizado como tratamento primário. Isso tem a vantagem de oferecer diagnóstico e tratamento satisfatórios. O melhor procedimento é manter o animal com tratamento conservador por três dias, caso não melhore, há tempo para efetuar uma ruminotomia.

Como medida preventiva, pode ser fornecido via oral, imãs profiláticos para todas as novilhas em idade de reprodução. Além disso, deve sempre tomar cuidado com ferramentas e objetos metálicos levados a campo e ali deixados, favorecendo o contato deste com os animais.

Fontes:
http://www.upis.br/pesquisas/tcc/Julianne%20de%20Rezende%20Naves.pdf
http://www.vallee.com.br/doencas.php/2/57

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.