Tenor

Na sua versão moderna pode-se afirmar que o Coral, descendente do ancestral canto coletivo, que remete à infância da Humanidade, é constituído por quatro modalidades de vozes: sopranos, contraltos, tenores e baixos, as quais representam, em ordem de posição, das mais agudas até as mais graves.

Cada uma delas adota uma linhagem melódica particular, conforme suas qualidades vocais. No interior desta classificação, porém, desdobram-se as subdivisões, como soprano ou tenor lírico, ligeiro, dramático, entre outras. Os fatores que mais contribuem para esta divisão das vozes é o comprimento vocal e sua qualidade sonora. Já as subcategorias se referem à escolha do repertório do intérprete.

O tenor é o naipe masculino de alcance mais agudo, obtido sem que seja necessário adotar a metodologia do falsete, que implica em enunciar, de forma artificial, sonoridades mais agudas ou mais graves que as naturalmente inseridas no intervalo de frequência acústica de cada cantor.

As categorias convencionais das vozes apresentam a do tenor como a que concerne à faixa sonora mais aguda, passível de ser concretizada no canto lírico por um homem. Ela se diferencia do barítono e do baixo, outros naipes normalmente masculinos, por apresentar uma disposição das notas musicais nas fronteiras entre Dó2 e Dó4.

Em um nível mais profundo de análise, é possível encontrar duas vozes do gênero masculino mais agudas que a do tenor; elas pertencem ao contratenor, que concretiza a intensidade vocal do naipe feminino da mezzo-soprano; e ao sopranista, que praticamente atinge notas situadas no perímetro do soprano.

Por sua vez, o tenor ligeiro, também denominado 1º Tenor, é o naipe masculino espontâneo mais agudo, com inclinações para praticar notas com ritmo veloz, as volaturas. O lírico-ligeiro ou lírico spinto é mais denso que o ligeiro puro, e tende igualmente para emitir sons agudos.

O tenor lírico tem a voz mais abundante em harmônicos que as demais, e também o timbre volumoso; ele é também intitulado 2º Tenor; este tipo é equivocadamente confundido, por alguns, com o Dramático, o qual aprimora uma maior sonoridade e constitui uma categoria incomum  no Brasil, a dos tenores mais graves.

A expressão tenor se origina do vocábulo latino ‘tenere’, que tem o sentido de ‘sustentar’. Durante a Idade Média, a música era sustentada especialmente pelo naipe do tenor, principal intérprete do canto lírico. Daí a necessidade deste cantor ‘sustentar’ os timbres, enquanto as demais vozes só adornavam a expressão vocal.

Nas óperas clássicas e românticas, os papéis dos protagonistas masculinos ainda cabem aos tenores, ao passo que as outras vozes são distribuídas entre os personagens coadjuvantes. Nos confrontos entre heróis e adversários, quase sempre é atribuída ao tenor a performance heróica.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Tenor
http://www.musicaeadoracao.com.br/tecnicos/tecnica_vocal/classificacao.htm
http://www.coraldelchiaro.com.br/canto.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Falsete
http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20081005200847AA2f5kl

Arquivado em: Música