Interdisciplinaridade a partir da Realidade Contextual

Licenciatura Plena em Química (Universidade de Cruz Alta, 2004)
Mestrado em Química Inorgânica (Universidade Federal de Santa Maria, 2007)

Este artigo foi útil?
Considere fazer uma contribuição:


Ouça este artigo:

O ensino, quando reduzido apenas à tentativa da transmissão de informações do professor ao aluno, não se caracteriza como um processo solidário e produtivo, uma vez que o educando dificilmente será capaz de relacionar entre si as informações que ouve, e, da mesma forma, será muito difícil que seja capaz de produzir um conhecimento próprio e consolidado.

O desenvolvimento do conhecimento de forma fragmentada, isolada, gera uma grande dificuldade de visão do todo, de estabelecer relações entre os fatos e o dia a dia, prejudicando o desenvolvimento cognitivo do indivíduo. Na visão piagetiana, o ser humano desenvolve-se, tornando-se um ser integral e associando o seu desenvolvimento mental e biológico. A interdisciplinaridade, dessa forma, surge da necessidade de compatibilizar o aumento da quantidade disponível de conhecimentos com uma instrumentalização do indivíduo para o uso desses conhecimentos a fim de melhorar a sua vida e a da sociedade na qual está inserido.

No que tange ao ensino, vejo que a interdisciplinaridade pode ser desenvolvida a partir de uma ação interdisciplinar na elaboração de currículos, como também na atuação do professor em sala de aula. Nesse aspecto, torna-se necessário que o educador perceba as diferentes relações que podem ser estabelecidas entre os conteúdos desenvolvidos na sua disciplina específica com outras, a fim de poder contribuir para o desenvolvimento integral do educando.

Quando um assunto trabalhado em sala de aula parte da realidade contextual do educando, esse conhecimento torna-se significativo, uma vez que este educando possui ferramentas cognitivas para construção individual de sua aprendizagem. Nesse aspecto, temas geradores constituem uma importante ferramenta pedagógica, sendo que devem sempre estimular o questionamento e a resolução de problemas, e não serem apresentadas com finais previamente determinados.

As interações do indivíduo com o meio e os desafios que enfrenta, em sua vivência, levam-no a ações de superação desses desafios. Isso gera a produção de um conhecimento não sistematizado, restrito ao indivíduo e ao meio, definido como conhecimento popular ou saber cotidiano. Qualquer situação de aprendizagem baseia-se no conhecimento que o aluno já possui para a construção de estruturas mais aperfeiçoadas onde, através do desenvolvimento da Inteligência, adquire a capacidade de adaptação às novas situações. Ao valorizar o conhecimento prévio que o aluno traz para sala de aula, através de uma relação de diálogo, de troca, de questionamentos, tornando o conteúdo mais significativo, inserido na sua realidade, o aluno se sentirá motivado a buscar novos conhecimentos, tornando-se um autêntico pesquisador.

Referências:
PIAGET, J.; A Equilibração das Estruturas Cognitivas, problema central do desenvolvimento, Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

PIAGET, J.; Problemas de psicologia genética. In: Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

Arquivado em: Pedagogia