Seringueira

Seringueira é o nome popular dado à planta do gênero Hevea, família Euphorbiaceae. Natural da região amazônica, a sua variedade Hevea Brasiliensis é a mais importante dentre as onze espécies do gênero e também a de maior capacidade produtiva, destacando-se por produzir látex de melhor qualidade e com um teor propício para a fabricação da borracha. Acredita-se que seu nome tem origem no termo “seringa”, uma referência à forma como é extraído o látex. Além do Brasil, a seringueira é comum na Bolívia, Colômbia, Peru, Venezuela, Equador, Suriname e Guianas.

Seringueira. Foto: wandee007 / Shutterstock.com

Dotada de um longo ciclo de vida, a planta desenvolve-se preferencialmente em meio a solos argilosos e férteis da beira de rios e várzeas, que apresentam textura leve, bem drenados e ligeiramente ácidos. É ainda bastante influenciada pela temperatura e a umidade relativa do ar. Recomenda-se que o seu plantio ocorra em solos de textura média e com boa profundidade, evitando-se os terrenos sujeitos a inundações periódicas. As áreas planas são as mais propícias para a implantação e exploração de seringais de cultivo.

A seringueira forma uma árvore de hábito ereto, que pode atingir até 30m de altura, e seu tronco pode variar entre 30 e 60cm de diâmetro. Aos quatro anos inicia-se a produção de sementes, e por volta de seis ou sete anos, a produção de látex a partir da casca da árvore, que é responsável ainda pelo transporte a armazenamento dos nutrientes absorvidos pela planta.

Seu fruto apresenta-se como uma cápsula grande, que geralmente abriga três sementes de grandes dimensões, pesando normalmente de 3,5 a 6 gramas, de formato oval, com a superfície ligeiramente achatada. Normalmente, a coloração da madeira é semelhante ao branco, podendo apresentar em certas ocasiões uma coloração marrom clara ou amarelada. A espécie frutifica entre novembro e fevereiro, mês em que ocorre a queda de seus frutos. É de março a junho que a seringueira apresenta as condições propícias para a extração do látex.

A partir de seu habitat natural, a seringueira passou a ser explorada em grandes áreas, em especial no sudeste asiático. No Brasil, o cultivo da planta atingiu as regiões sudeste e centro oeste, com destaque para a Bahia e mais recentemente o Paraná.

A produção comercial da seringueira concentra-se ainda no sudeste asiático, com destaque para as plantações de Malásia, Indonésia e Tailândia. A produção brasileira só responde por 18% das suas necessidades, e o restante é importado de outros centros, resultando em reflexos negativos na balança comercial local.

Bibliografia:
Hevea Brasiliensis (Seringueira). Disponível em: <http://www.heveabrasil.com/noticias/hevea_brasiliensis_fotos.pdf>. Acesso em: 12 nov. 2012.
Foto: http://paixaocapixaba.com.br/?p=11538