Água e Limpeza da Vidraria Laboratorial

Licenciatura Plena em Química (Universidade de Cruz Alta, 2004)
Mestrado em Química Inorgânica (Universidade Federal de Santa Maria, 2007)

Este artigo foi útil?
Considere fazer uma contribuição:


Ouça este artigo:

Água para uso em laboratório

É evidente que no procedimento de uma análise química a água deve ser purificada de alguma forma, tanto para a última lavagem da vidraria a ser utilizada como na preparação das soluções e diluições necessárias. Dessa forma, a água deverá estar sob condições determinadas experimentalmente.

Os padrões atuais para a água ser utilizada em laboratório estabelecido pelo British Standard, são da ordem de 5 mg/L para resíduo não volátil, 2 mg/L para resíduo após a ignição, 5,0 a 7,0 pH e 10 meg/ohm.cm para condutividade.

Em um laboratório de química analítica são utilizadas principalmente os seguintes tipos de água:

  • Água destilada: aquela purificada através de destiladores e que apresenta maior pureza do ponto de vista microbiológico; podendo conter íons contaminantes, arrastados durante a destilação. A água destilada pode ser mais rica em gases dissolvidos, como o gás carbônico (CO2).
  • Água desionizada: aquela purificada através de desionizadores, que são aparelhos onde a água da torneira é perclorada através de misturas de resinas de troca iônica: uma resina fortemente ácida remove os cátions eventualmente presentes na água e os substitui por íons H+; enquanto uma resina fortemente básica (OH-) remove ânions que estejam contaminando a água.

Limpeza do material

A limpeza da vidraria laboratorial deve ser feita de modo a conservar-se as propriedades desse material, não alterando propriedades físicas determinantes de sua boa utilização. Esta deve seguir algumas determinações.

  • Lavar o material de vidro em água corrente (se necessário utilizar detergente) e após lavar com água destilada.
  • O material volumétrico é seco à temperatura ambiente e o não volumétrico pode ser levado à estufa.
  • Usar escova especial para limpar os tubos de ensaio e outros aparelhos de vidro.
  • Os tubos de ensaio podem ser invertidos na estante para que sequem.
  • Uma limpeza mais rigorosa requer o uso de solução sulfocrômica ou outras soluções especiais para limpeza. Após a lavagem do material de vidro com estas soluções, lava-se com água comum e após com água destilada.
  • É conveniente lavar os frascos e aparelhos usados para estocar ou medir reagentes com pequenas porções do mesmo, as quais deverão ser posteriormente desprezadas.

OBS: A Solução sulfocrômica consiste em 10% de dicromato de potássio em ácido sulfúrico (H2SO4) concentrado. É fortemente oxidante, corrosiva e desidratante; deve-se, portanto, manipulá-la com grande cuidado. Deve ser posta fora de uso quando atingir a coloração esverdeada.

Referências:
RUSSELL, John B.; Química Geral vol.1, São Paulo: Pearson Education do Brasil, Makron Books, 1994.

Arquivado em: Química