Observação do Bico de Bunsen

Licenciatura Plena em Química (Universidade de Cruz Alta, 2004)
Mestrado em Química Inorgânica (Universidade Federal de Santa Maria, 2007)

Este artigo foi útil?
Considere fazer uma contribuição:


Ouça este artigo:

O Bico de Bunsen é um queimador muito utilizado em laboratórios de química para aquecimentos em geral. É formado por um tubo que apresenta orifícios em suas laterais, os quais podem ser abertos e fechados, o qual servirá como entrada de oxigênio na combustão. Recebe esse nome por ter sido aperfeiçoado por Robert Wilhelm Bunsen, a partir de um protótipo feito por Michael Faraday.

Observando o bico de Bunsen mais atentamente, se poderá verificar que ele é constituído de três partes: base, anel e tubo.

Entre a base e o tubo, há um anel de encaixe no qual existem dois orifícios ou janelas. No tubo, encontram-se outras janelas. A entrada de ar ocorre através das janelas emparelhadas. Quando elas estão justapostas, dizemos que estão abertas; quando o anel cobre totalmente a janela do tubo, dizemos que estão fechadas.

Para observar a chama do bico de Bunsen

  1. Primeiramente, verifique se as janelas do anel estão fechadas: o bico de Bunsen deve ser aceso com as janelas fechadas para evitar que a chama se recolha para o interior do tubo.
  2. Feito isso, segure um fósforo um pouco acima e ao lado da extremidade do tubo. Abra o registro, observe e descreva a chama produzida (combustão incompleta). Anote.
  3. Controle a quantidade de gás com o registro e gire o anel gradativamente até abrir por completo as janelas do bico de Bunsen. Anote as modificações ocorridas na chama (combustão completa).
  4. Passe uma outra cápsula de porcelana sobre a chama.

Para identificar as regiões da chama

  1. Percorra a zona 1 com a ponta de um palito de fósforo usado observando o que acontece. Anote. Repita a experiência deslocando o fósforo para a zona 2. Observe e anote.
  2. Coloque o palito horizontalmente de forma que ele atravesse as zonas 1 e 2 ao mesmo tempo.

Partes da Chama

  • Zona neutra da chama: região próxima da boca do tubo; nela não ocorre combustão do gás. É considerada fria se comparada às outras regiões.
  • Zona redutora da chama (zona 1): fica acima da zona neutra e forma um pequeno “cone”, nela se inicia a combustão do gás. A temperatura é bem inferior à da zona oxidante.
  • Zona oxidante da chama (zona 2): compreende toda a região acima e ao redor da zona redutora; nela a combustão do gás é completa. É muito quente: a sua temperatura pode chegar a 1100 °C.

Referências:
JONES, Chris J.; A Química dos Elementos dos Blocos d e f, Sociedade Brasileira de Química, Bookman, São Paulo/SP – 2002.
RUSSELL, John B.; Química Geral vol.1, São Paulo: Pearson Education do Brasil, Makron Books, 1994.

Arquivado em: Química