Teoria do Campo Cristalino e Distorção Jahn-Teller

Licenciatura Plena em Química (Universidade de Cruz Alta, 2004)
Mestrado em Química Inorgânica (Universidade Federal de Santa Maria, 2007)

Sempre abrir.

Com base na formação de um complexo de coordenação, a teoria do campo cristalino propõe que a interação entre os ligantes e o íon metálico central é de natureza estritamente eletrostática e ainda prevê que os níveis de energia nos orbitais d do íon metálico perdem a degenerescência, isto é, não permanecem com a mesma energia entre si, devido ao efeito produzido pelo campo elétrico com a aproximação dos ligantes.

“Os compostos de coordenação contem íons complexos, nos quais os ligantes formam ligações coordenadas com o metal Assim, o ligante deve ter um par de elétrons livres e o metal um orbital vazio. A teoria permite determinar quais são os orbitais atômicos do metal que são utilizados para formar as ligações.Prevê o numero de elétrons desemparelhados, porem não explica a cor dos complexos e as propriedades magnéticas em função da temperatura”.1

Alguns orbitais d concentram-se em regiões mais próximas dos ligantes que os outros, e os elétrons ocuparão os orbitais que estiveram mais longe do ligante, conforme pode ser visto na Figura 1. Neste caso considerando os orbitais denominados dz² e dx²-y² com lobos mais localizados nas vizinhanças dos ligantes e os orbitais denominados dxy , dxz, dyz com lobos entre os ligantes obtém-se o seguinte diagrama com base na diferença entre os níveis de energia:

Figura 1. Desdobramento dos orbitais d com a aproximação dos ligantes.

Os orbitais dz² e dx²-y², com energias mais altas, são denominados de orbitais eg, enquanto os orbitais dxy, dzx, dyz denominados t2g, que apresentam menor energia, e Δ0 o – parâmetro de desdobramento do campo ligante - está associado à diferença de energia entre os dois níveis, t2g e eg. Com raciocínio semelhante, analisando agora uma estrutura tetraédrica, observa-se que os orbitais dxy , dzx, dyz ficariam menos estáveis que os orbitais dz² e dx²-y², já que estes últimos não estão tão próximos à direção de aproximação dos ligantes. Dessa forma, o para sistemas tetraédricos é mostrado na Figura 2.

Figura 2: Desdobramento dos ligantes em um sistema tetraédrico.

Alguns complexos costumam desviar-se da geometria octaédrica e também da geometria tetraédrica, apresentando distorções tetragonais, como por exemplo, complexos hexacoordenados de cobre(II). Essa distorção é conhecida por distorção Jahn-Teller, e corresponde a uma extensão ao longo do eixo z e uma compressão ocorrida nos eixos x e y. Dessa forma, todos os orbitais que tem componente em z se estabilizam e os restantes se desestabilizam.

Referências:
1. http://www.artigonal.com/quimica-artigos/compostos-de-coordenacao
ATKINS, Peter; JONES, Loreta; Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente, Porto Alegre: Bookman, 2001.
BARBOSA, Addson Lourenço; Dicionário de Química, A-B Editora, Goiânia/GO – 2000.
EPSTEIN, Lawrence M.; ROSENBERG, Jerome l.; Química Geral, (Coleção Schaum), Porto Alegre: Bookman, 2003.

Arquivado em: Química