Mandaqui

Bairro localizado na subprefeitura de Santana-Tucuruvi, na zona norte de São Paulo (SP), o Mandaqui apresenta grandes áreas de preservação natural como o Parque da Cantareira, considerado uma das maiores florestas urbanas nativas em escala mundial; e uma porção da Serra da Cantareira. O nome do bairro tem origem na língua tupi, na qual o termo Mandihy é o mesmo que rio dos bagres. Depois de muitos anos, o local começou a ser chamado de Mandaqui.

No ano de 1616 tem data a primeira citação ao Mandaqui, quando foi dada permissão à Amador Bueno da Ribeira, um bandeirante, através da Câmara da Vila de São Paulo de Piratininga, para que fosse construído um moinho de trigo no Ribeirão Mandaqui. Depois de terminado o projeto, um Pilão de Água foi instalado no local por Josaphat Batista Soares, um dos primeiros moradores da região.

A partir deste momento, o Mandaqui tornou-se um local propício para a imigração de diversas etnias da Europa, que ficaram instaladas nas proximidades do Horto Florestal e da Serra da Cantareira. Um das primeiras famílias da área foi a Zunkeller, sobrenome que atualmente nomeia uma grande avenida do bairro. Os Zunkeller tinham descendência francesa e formavam uma família de muitas posses.

Em um primeiro momento, instalaram-se onde, atualmente, localiza-se a região chamada Conjunto dos Bancários. Suas principais atividades eram a criação de gado de leite, vinho e plantação de videiras. O loteamento da região começou quando, no ano de 1928, o patriarca dos Zunkeller, Alfredo Zunkeller, dividiu as propriedades entre seus herdeiros.

Uma das tradições históricas do bairro foi o Trenzinho da Cantareira, que circulou e tinha paradas ao longo do distrito durante o século XIX. A estação situava-se em uma esquina da Rua Voluntários da Pátria com a Rua Professor Valério Giuli. Atualmente, nesta localização há uma residência. O Mandaqui entrou no auge do seu desenvolvimento durante a década de 60, quando tem início o processo de verticalização da região.

As principais vias de acesso e que permeiam o Mandaqui são as seguintes: Rua Voluntários da Pátria, Avenida Santa Inês, Rua Conselheiro Moreira de Barros, Avenida Engenheiro Caetano Álvares e a Avenida Zunkeller.

De acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), levantados entre os anos de 1996 a 2000, o bairro tem alguns focos de pobreza, totalizando 427 habitantes em favelas. Porém, a maioria dos moradores é de classe média. Segundo o portal da Prefeitura de São Paulo, o bairro “conta com algumas opções de lazer, como diversos bares na Avenida Engenheiro Caetano Álvares e um shopping center localizado no bairro Lauzane Paulista, denominado Santana Parque Shopping”.

Fontes:
http://www.ibge.gov.br/home/
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/bibliotecas/bibliotecas_bairro/bibliotecas_m_z/pedrodasilvanava/index.php?p=5723
http://www.znimovel.com.br/noticias_a-tranquilidade-do-bairro-do-mandaqui-zona-norte-sao-paulo_269-0-0-0-1_0.html

Arquivado em: São Paulo