Produção de bovinos em confinamento

No cenário atual do Brasil, o maior exportador de carne bovina do mundo, existe uma iminente cobrança em se intensificar a produção de bovinos de corte (o que já ocorre para aves e suínos).

Uma das maneiras que pode-se utilizar para intensificar a produção de carne, seria a utilização do confinamento. O confinamento consiste em concentrar um grande número de animais em pequenas áreas, alimentando os animais com dietas que os façam exprimir todas suas características genéticas (principalmente maior ganho de peso).

Porém muito cuidado deve-se tomar na decisão de confinar os animais. O confinamento deve-se ser utilizado como uma ferramenta da pecuária e não como um sistema total de produção. Assim os animais são confinados quando alcançam certo peso (geralmente ao redor dos 350 Kg) somente para terminar (depositar gordura na carcaça), ficando confinados por um tempo médio de 100 dias.

As dietas utilizadas no confinamento geralmente são ricas em concentrados (grãos: milho, farelo de soja, sorgo), pois esses alimentos são mais concentrados em nutrientes do que os volumosos (forrageiras: capim elefante, tifton, tanzânia, etc...).

A utilização do confinamento ajuda o produtor a ter um menor ciclo na engorda dos animais (os animais podem ser abatidos em média com 24 meses), ou seja, proporciona que o dinheiro da atividade fique menor tempo imobilizado.

Há ainda outras vantagens que o confinamento proporciona como:

-Os animais a serem abatidos com menor idade, geram uma carne de melhor qualidade (maior interesse do mercado externo = exportação) ;

-O pecuarista tem um menor lucro com os animais, pois o peso que os mesmos são abatidos geralmente são menores, porém a área fica amis produtiva, pois temos maior número de animais/ha ;

-Há alguns estados que incentivam a produção do novilho precoce, gerando menor tributos a ser pagos pelo produtor.

Porém fica claro que é necessário avaliar muito bem se é viável economicamente a implantação de um confinamento na propriedade, por exemplo, se o produtor tiver grandes áreas para fazer a terminação de seus animais o confinamento não é recomendado, visto que a terminação à pasto gera um menor gasto. Ainda deve ser avaliado os animais que entram no confinamento (procedência, evitando o alastramento de doenças) e cuidado especial na dieta (deve proporcionar bom ganho de peso, porém sempre avaliando o custo/beneficio da mesma).

Arquivado em: Agricultura, Zootecnia