Níger

Por Emerson Santiago
A República do Níger (em francês: République du Niger) é um país localizado à África Ocidental, cujo nome é uma referência ao importante rio Níger, que passa pela capital do país, Niamey. Sem saída para o mar, como a maioria de seus vizinhos, o Níger possui um território de 1.267.000 km², equivalente ao de seus vizinhos, que são a Líbia e Argélia ao norte, Chade a leste, Mali e Burkina Faso a oeste e Togo e Nigéria ao sul. No passado, a área foi o centro de um importante império, o Songhai, sendo alguns séculos depois colonizado pela França, de quem herdou o desenho de suas atuais fronteiras, como parte da África Ocidental Francesa. Assim como seu vizinho Mali, praticamente toda a população é seguidora do islam, com os mesmos 90% de popularidade. O restante da população se divide entre as religiões animistas africanas e a religião católica. A língua oficial e nacional é o francês, porém, as várias línguas locais são utilizadas no cotidiano.

A cultura nigerina foi de certa forma moldada pela colonização francesa, pois esta reuniu populações de culturas distintas, como por exemplo os Hausa, importante grupo étnico na vizinha Nigéria, além dos Zarma-Songhai, cujas referências linguisticas, culturais e sociais estão mais ligadas a outro vizinho, Mali. Outro grupo importante é o Gurma, presente também em Brukina Faso. Fora essas três principais etnias, o restante da população de Níger é constituída de tribos tuaregues ou pastores nômades que buscam aproveitar as terras férteis mais ao sul.

A história política deste país no centro da África é conturbada em uma maneira similar à de seu vizinho, Chade. Independente desde 3 de agosto de 1960, Níger viveu sob a ditadura de um único partido (PPN-RDA - Partido Progressista Nigerino-Rali Democrático Nigerino) durante boa parte de sua história, de 1961 a 1991, período em que os ditadores Hamani Diori (1961-1974), Seyni Kountché (1974-1987) e Ali Saibou permaneceram no poder. Em um cenário clássico de uma corrupta ditadura africana, o regime destes três primeiros presidentes mostrou-se corrupto, provocando a estagnação econômica do país. Diori seria deposto em 1974, após uma grave seca que assolou o país, Kountché morreu no exercício do poder, e Saibou, ante as enormes pressões internas, procurou liberalizar o regime, sem muito sucesso, causando seu fim.

Até recentemente (desde 1999) Níger estava em sua Quinta República, quando em fevereiro de 2010, uma junta militar ocupou o poder no país, sitaução que persiste ainda hoje. É a segunda intervenção dos militares nos assuntos políticos do país, sendo que a outra ocorreu em fins da década de 90 do século passado.

Bibliografia:
Níger. Disponível em <http://www.portalbrasil.net/africa_niger.htm>. Acesso em: 29 out. 2011.

Background note: Niger(em inglês). Disponível em <http://www.state.gov/r/pa/ei/bgn/5474.htm>. Acesso em: 29 out. 2011.