Burkina Faso

bandeira burkina fasoA República do Burkina Faso (em francês: République du Burkina Faso) é um país localizado à África Ocidental, sem saída para o mar, com um território de 274.200 km², um pouco maior que o estado de São Paulo. Sua capital e principal cidade é Ouagadougou, no centro do país. Burkina Faso possui fronteiras com Mali ao norte e oeste, Níger a oeste, Costa do Marfim, Gana, Togo e Benim ao sul. O país foi desde 1919 parte integrante dos vários territórios que a França possuía na área, compondo a África Ocidental Francesa (AOF), sendo organizado várias vezes como uma unidade colonial francesa que recebia o nome de Alto Volta (referência à parte superior do rio Volta, que fica quase todo dentro das fronteiras de Burkina). A única língua oficial e nacional é o francês, sendo que no cotidiano os habitantes do país utilizam dezenas de línguas regionais, em especial a língua mossi. A maioria dos burkinabês são muçulmanos (em torno de 60%), 25% de católicos, e o restante adeptos de religiões animistas africanas.

Burkina Faso é um país sem litoral localizado no meio da África Ocidental, na região do Sahel - a região agrícola entre o deserto do Saara e as florestas tropicais costeiras. O maior rio é o Mouhoun, parcialmente navegável por pequenas embarcações.

O estado é etnicamente integrado e secular, com 16,3 milhões de pessoas. O grupo étnico dominante é a Mossi, que reivindica descendência de guerreiros que migraram para o atual Burkina Faso a partir de Gana e estabeleceram um império que durou mais de 800 anos.

Mapa de Burkina Faso. Fonte: CIA.gov [domínio público]

Mapa de Burkina Faso. Fonte: CIA.gov [domínio público]

Até o fim do século XIX, a história do Burkina Faso foi centrada no império Mossi. Os franceses chegaram e reivindicaram a área em 1896, mas a resistência Mossi só terminou com a captura de sua capital, Uagadugu, em 1901. A colônia do Alto Volta foi criada em 1919, mas foi desmembrado e reconstituída várias vezes até que as atuais fronteiras foram estabelecidas em 1947.

A independência foi conseguida a 5 de agosto de 1960. O primeiro presidente, Maurice Yameogo, renunciou em 1966 após contínuas greves operárias e entregou o poder ao tenente-coronel Sangoule Lamizana. Lamizana permaneceu no poder durante toda a década de 1970, como presidente militar e em seguida, civil.

O coronel Saye Zerbo derrubou Lamizana em 1980, sendo também derrubado dois anos mais tarde pelo major Dr. Jean-Baptiste Ouedraogo do Conselho de Salvação Popular (CSP). Lutas internas se desenvolveram entre os moderados no CSP e os radicais liderados pelo capitão Thomas Sankara, que foi nomeado primeiro-ministro em janeiro de 1983, e foi posteriormente preso. Esforços para sua libertação, dirigidas pelo capitão Blaise Compaoré, resultaram em mais um golpe militar, liderado por Sankara e Compaore a 4 de agosto de 1983.

Sankara e Compaore criam a Comissão Nacional Revolucionária com Sankara como Presidente, prometendo "mobilizar as massas." Em 1984, Alto Volta mudou seu nome para Burkina Faso, que significa "o país de pessoas honradas." Apesar de sua popularidade inicial e carisma pessoal, Sankara foi morto em um golpe que levou o capitão Blaise Compaoré ao poder em outubro de 1987.

Desde então, o capitão Compaore vem exercendo o poder em Burkina, controlando as instituições do país e ganhando todas as eleições promovidas até então. Ao entrar em seu 25o. ano de governo, Compaore promete deixar o governo, mas há suspeitas de que ele promova uma emenda na Constituição (feita logo após sua subida ao poder) para continuar exercendo o cargo de chefe de estado.

Bibliografia:
Burkina Fasso. Disponível em <http://www.portalbrasil.net/africa_burkinafasso.htm>. Acesso em: 22 nov. 2011.

Background note: Burkina Faso(em inglês). Disponível em <http://www.state.gov/r/pa/ei/bgn/2834.htm>. Acesso em: 22 nov. 2011.

Arquivado em: África