Jabuti

Mestre em Ecologia (UERJ, 2016)
Graduada em Ciências Biológicas (UFF, 2013)

Os jabutis são répteis pertencentes à Ordem Testudines, da família Testudinidae (como as tartarugas e os cágados) e do gênero Chelonoidis. Na América do Sul, os jabutis são representados por quatro espécies: Chelonoidis chilensis, Chelonoidis nigra, Chelonoidis carbonaria e Chelonoidis denticulata. No Brasil, ocorrem apenas as espécies Chelonoidis carbonária, conhecido como jabuti-vermelho ou jabuti-piranga, e Chelonoidis denticulata (jabuti-amarelo) e, podem ser encontradas em campos abertos e áreas de gramíneas, mas também ocorre dentro de florestas, na Caatinga, no Cerrado, na Amazônia e Mata Atlântica. Apesar de ocorrerem em simpatria em diversos ambientes, Chelonoidis carbonaria é frequentemente mais encontrada em áreas mais abertas e Chelonoidis denticulata, em áreas de florestas mais densas.

Jabuti vermelho (Chelonoidis carbonaria). Foto: Seregraff / Shutterstock.com

Jabutis são animais lentos, estritamente terrestres diferentemente das tartarugas e dos cágados. Os cascos são altos em forma de cúpula e os pés são semelhantes aos dos elefantes (são robustos). Possuem cabeça relativamente pequena, com olhos grandes e um tímpano localizado atrás e abaixo dos olhos. Quando se sentem ameaçados, tendem a recolher suas patas dianteiras e traseiras, assim como a cabeça, para dentro da carapaça e se fingir de morto.

São quelônios que habitam diferentes ambientes, desde o deserto ─ como, por exemplo, o jabuti-do-deserto (Gopherus agassizi) no norte do México ─ até as florestas. Algumas espécies podem cavar tocas no solo e outras possuem o hábito de se enterrarem na lama. A dieta dos jabutis é onívora, constituída por folhas, flores, insetos, carniça e outros. Estes animais por consumirem sementes são importantes dispersores principalmente em florestas tropicais.

Na época reprodutiva os machos competem pelas fêmeas. Na parte ventral do plastrão (parte inferior do casco), os machos possuem uma concavidade para durante a reprodução possa se encaixar na fêmea. Quando conquistam uma fêmea, o macho sobe em cima dela, pelas costas e fica nesta posição até o acasalamento ser concluído, ou seja, quando o sêmen é injetado para dentro do corpo da fêmea. Ocorrendo a fecundação, a fêmea procura um local adequado e cava um buraco para depositar os ovos e posteriormente cobre o ninho com folhagem ou areia. A quantidade e o formato dos ovos variam de acordo com as espécies de jabuti, sendo geralmente entre um e 15 ovos. Nas duas espécies ocorrentes no Brasil, as fêmeas de jabuti-vermelho colocam em média seis ovos redondos (entre 1 a 15) e as fêmeas da espécie de jabuti-amarelo depositam entre um e 15 ovos oblongos. Quando os filhotes nascem a carapaça ainda não é dura e com isso ficam muito vulneráveis aos predadores.

Por serem animais que vivem em média 50 anos e serem dóceis, os jabutis são as escolhas de muitas pessoas ao redor do mundo para ter como animal de estimação. É preciso ter um terrário com aquecedores, folhagem como substrato e com um tamanho adequado para que o jabuti consiga se movimentar com certa liberdade.

Referências Bibliográficas:

Barros, M. S.; Silva, A. G.; Ferreira Junior, P. D. 2012. Morphological variations and sexual dimorphism in Chelonoidis carbonaria (Spix, 1824) and Chelonoidis denticulata (Linnaeus, 1766) (Testudinidae). Brazilian Journal of Biology 72(1): 153-161 p.

Gonzalez, Vanessa. 2016. Saiba qual é o habitat ideal para criar um jabuti de estimação (Ed.) Luana Zanolini. Revista Meu Pet 16. http://revistameupet.uol.com.br/outros-animais/saiba-qual-e-o-habitat-ideal-para-criar-um-jabuti-de-estimacao/4022/

Hayasaka, Enio Y. & Nishida, Silvio M. Reprodução dos Répteis. Universidade Estadual Paulista. http://www2.ibb.unesp.br/Museu_Escola/Ensino_Fundamental/Origami/Documentos/Repteis.htm

Pough, F. Harvey, Heiser, Jhon B.; Janis, Christine M. 2008. A vida dos vertebrados. São Paulo, Atheneu. 684p.

Vogt, R. C.; Fagundes, C. K.; Bataus, Y. S. L.; Balestra, R. A. M.; Batista, F. R. W.; Uhlig, V. M.; Silveira, A. L.; Bager, A.; Batistella, A. M.; Souza, F. L.; Drummond, G. M.; Reis, I. J.; Bernhard, R.; Mendonça, S. h. S. T.; Luz, V. L. F. 2015. Avaliação do Risco de Extinção de Chelonoidis denticulatus (Linnaeus, 1766) no Brasil. Processo de avaliação do risco de extinção da fauna brasileira. ICMBio.< http://www.icmbio.gov.br/portal/faunabrasileira/30-fauna-brasileira/estado-de-conservacao/7400-repteis-chelonoidis-denticulatus-jabuti-amarelo>

Vogt, R. C.; Fagundes, C. K.; Bataus, Y. S. L.; Balestra, R. A. M.; Batista, F. R. W.; Uhlig, V. M.; Silveira, A. L.; Bager, A.; Batistella, A. M.; Souza, F. L.; Drummond, G. M.; Reis, I. J.; Bernhard, R.; Mendonça, S. h. S. T.; Luz, V. L. F. 2015. Avaliação do Risco de Extinção de Chelonoidis carbonaria (Spix, 1824) no Brasil. Processo de avaliação do risco de extinção da fauna brasileira. ICMBio. < http://www.icmbio.gov.br/portal/faunabrasileira/30-fauna-brasileira/estado-de-conservacao/7399-repteis-chelonoidis-carbonaria-jabuti-piranga>

Arquivado em: Répteis