Ácaros

Por Marina Martinez
Os ácaros, grandes vilões causadores de alergias em humanos (ácaros domésticos), são seres minúsculos, geralmente menores que um milímetro de comprimento, que pertencem à classe dos aracnídeos e fazem parte da subclasse Acarina ou Acari, da qual também fazem parte os carrapatos.

Ácaro. Foto: Steve Heap / Shutterstock.com

Ácaro. Foto: Steve Heap / Shutterstock.com

Estes seres diminutos têm explorado uma incrível variedade de habitats devido a sua pequena dimensão (a maioria são microscópicos) e são raramente notados. Grande parte dos ácaros vive livremente no solo ou na água, como também existem espécies que vivem como parasitas de plantas e animais vertebrados e invertebrados. Para se ter uma idéia existem cerca de 48.000 espécies diferentes de ácaros descritas, que representa uma pequena fração diante da diversidade total de ácaros existentes no mundo, segundo acarologistas (cientistas que estudam os ácaros).

As características morfológicas dos ácaros podem variar consideravelmente entre os diferentes tipos de espécies. Em geral, os ácaros apresentam o corpo indiviso (não separado em regiões ou tagmas), apresentam gnatossoma e quatro pares de pernas quando atingem a fase adulta. Muitas espécies apresentam pilosidades com função táctil na superfície do corpo e colorações que variam entre tons de marrom, vermelho, alaranjado, preto, verde e até mesmo combinações de várias cores. A maioria dos ácaros são ovíparos e vivem mais ou menos cem dias.

Os ácaros domésticos são os responsáveis por causar diversas doenças alérgicas nos seres humanos (rinite, asma alérgica e dermatite atópica). Eles sobrevivem bem em colchões, tapetes, almofadas, sofás, bonecos de pelúcia e roupas de camas e adoram lugares úmidos. Alimentam-se de escamas de pele humana e de animais e são verdadeiras pragas domésticas (Os ácaros domiciliares reproduzem rapidamente). Um metro quadrado de um tapete em uma residência pode conter até 100 mil ácaros. Além disto, os excrementos dos ácaros e os ácaros mortos dispersam-se em poeira fina, o que pode ser facilmente inalado causando alergias.

O tratamento da alergia causada por ácaro começa com a prevenção. Recomenda-se a lavagem regular de colchões, cobertores e travesseiros com água quente. Doentes asmáticos e alérgicos são aconselhados a evitar travesseiros de pena devido à maior presença destes seres. Os anti-histamínicos também são úteis como a cetirizina, que tem sido eficaz na redução de sintomas alérgicos (coceira, espirros, vermelhidão nos olhos, nariz escorrendo e congestão nos pulmões).

Além dos ácaros domésticos existem ainda os ácaros parasitas do homem. Estes podem atingir os folículos pilosos e as glândulas sebáceas, como o Demodex folliculorum, provocando a formação de cravos, como também atingir as áreas cutâneas, como o Sarcoptes scabiei, o famoso causador da sarna humana (escabiose). Os ácaros também causam grandes perdas agrícolas como o ácaro vermelho das palmeiras (Raoiella), ácaro hindu dos citrus (Schizotetranychus hindustanicus) e o ácaro da erinose da lichia (Eriophyes litchii).

Referências Bibliográficas:
http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81caro
http://docentes.esalq.usp.br/lccbferr/ArtropodaPrt2.pdf
http://www.paradust.com/about-dustmites/_PT-pt/about-dustmites.html
http://www.portalbrasil.net/medicina_alergia.htm