Coruja-buraqueira

Por Thais Pacievitch
Popularmente conhecida como coruja-buraqueira, a Athene cunicularia é uma ave de rapina de pequeno porte, que habita desde o território do Canadá (América do Norte) até a Terra do Fogo (extremo sul da América do Sul). São encontradas por todo o Brasil, a exceção da bacia Amazônica. Esta coruja tem o nome de “buraqueira” porque vive em buracos, ou tocas, abandonados por outros animais, como tatus. Se necessário, ela mesmo cava um buraco, mas prefere se apossar de buracos abandonados.

Coruja-buraqueira
Coruja-buraqueira
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Strigiformes
Família: Strigidae
Gênero: Athene
Espécie: A. cunicularia

A coruja-buraqueira tem a cabeça redonda e pernas longas. Mede aproximadamente 23 centímetros, sendo o macho maior que a fêmea. Geralmente, sua plumagem é amarelada – sendo que as fêmeas comumente são mais escuras que o macho - suas sobrancelhas são brancas e seus grandes olhos são amarelos.

A visão da coruja-buraqueira é binocular, ou seja, a coruja enxerga um objeto com os dois olhos ao mesmo tempo, o que permite que sua visão seja três dimensões. A visão da coruja-buraqueira é cem vezes mais aguçada que a do homem. Além disso, a coruja possui uma audição potente e a capacidade de girar o pescoço em um ângulo de até 270º. Com esses sentidos aguçados, a coruja-buraqueira é uma excelente caçadora.

Insetos, pequenos roedores, cobras e até pequenos pássaros são a base da alimentação das corujas-buraqueiras. Embora possa caçar à qualquer hora do dia, prefere o entardecer e o amanhecer, ou seja, o crepúsculo.

Os meses de março e abril são o período de reprodução da coruja-buraqueira. Nessa época, o casal se reveza no preparo do ninho, aperfeiçoando o buraco abandonado por outro animal. As corujas cavam com os pés e os bicos, alargando e aprofundando horizontalmente o buraco inicial. Geralmente o ninho tem entre 30 e 60 centímetros de largura e chegam a medir até 3 metros de comprimento. Por fim, o fundo do ninho é coberto com capim seco.

A fêmea bota entre 6 e 12 ovos, e os choca por 28 dias. O macho é responsável por proteger o ninho e procura alimento para a fêmea e para os filhotes até estes abandonarem o ninho. Por volta de 14 dias após o nascimento, os filhotes já se aventuram na saída do buraco, onde ficam empoleirados esperando o alimento trazido pelos pais. Apenas depois de 44 dias, os filhotes abandonam o ninho. Começam a caçar insetos em seguida, com aproximadamente 50 dias, estando aptos para viverem sozinhos após 60 dias. As aves de rapina maiores e o homem são os únicos predadores da coruja-buraqueira, que chega a viver mais de 25 anos em seu habitat natural.

Referências:
SANTOS, Willian Menq dos. Coruja-buraqueira. Disponível em: http://www.avesderapinabrasil.com/athene_cunicularia.htm. Acesso em 04 de fev. 2011.
DE CICCO, Lúcia Helena Salvetti. Coruja-buraqueira: Speotyto cunicularia. Disponível em: http://www.saudeanimal.com.br/coruja.htm. Acesso em 04 de fev. 2011.
Foto: USGS [Domínio Público] via Wikimedia Commons