Martin Luther King Jr.

"Infelizmente, a História transforma algumas pessoas em oprimidas e outras em opressoras." - Martin Luther King Jr.

Estátua de cera de Martin Luther King Jr. no museu Madame Tussaud, em Nova York. Foto: Anton_Ivanov / Shutterstock.com

Estátua de cera de Martin Luther King Jr. no museu Madame Tussaud, em Nova York. Foto: Anton_Ivanov / Shutterstock.com

Essas palavras foram ditas em 1964 por um dos maiores oradores que a humanidade já escutou. 10 anos antes, em 1955, a simples atitude de uma senhora negra, a negar-se oferecer seu lugar do ônibus a um homem branco, desencadeou uma grande revolução histórica, pelos direitos humanos de igualdade entre brancos e negros. Isso aconteceu em uma pequena cidade do Alabama, ao sul dos Estados Unidos da América.

Um pastor, recém chegado a cidade, teve a responsabilidade de liderar o movimento que surgiu desse impasse. Um boicote ao transporte público foi articulado sob a liderança do então desconhecido Martin Luther King Jr.

Martin Luther King tinha o poder de usar as palavras de forma intensa e de tal entusiasmo, que cativava, motivava e inspirava os que as escutava. King “bradava” justiça, igualdade, liberdade e paz.

Martin fazia parte dos oprimidos. Nasceu negro em 1929, no Sul dos Estados Unidos da América. Os negros, mesmo após abolir-se a escravatura, sofriam com a segregação racial, protegida por lei naquela época e foi justamente essa lei que King ajudou a extinguir.

King, filho de um pastor, encontrou na Bíblia sua vocação e também se tornou líder religioso e a "palavra de Deus" o acompanhou por toda a vida.

Após a primeira vitória, na qual a segregação em transporte público se tornava ilegal nos EUA, King ganhava cada vez mais força em sua luta por igualdade.

Martin passa a fazer parte e liderar a fundação da Conferência da Liderança Cristã do Sul (CLCS, ou em inglês, SCLC, Southern Christian Leadership Conference). Uma liga composta principalmente por comunidades negras ligadas a igrejas batistas.

Luther King era adepto ás ideias de desobediência civil preconizadas pelo líder indiano Mahatma Gandhi e aplicava essas ideias nos protestos organizados pelo CLCS.

Recebeu o prêmio Nobel da Paz, em 1964, se tornando a pessoa mais jovem a receber o prêmio.

Martin organizou manifestações pelo direito ao voto, o fim da segregação, o fim das discriminações no trabalho e outros direitos civis básicos. O desenrolar dos fatos não foram fáceis, muitos morreram e/ou foram violentados. Todavia a maior parte desses direitos foram depois agregados à lei estadunidense.

“A questão não é se seremos extremistas ou não, mas que tipo de extremista seremos: o do Amor ou do Ódio?”

King foi assassinado em 1968, se tornou um mártir. Hoje é consagrado universalmente.

Em sua homenagem foi criado um feriado, respeitado em todo o território daquele país.

Referências:
Uma Luta Pela Igualdade (filme sobre Martin Luther King). Direção de Ava DuVernay.

http://veja.abril.com.br/historia/morte-martin-luther-king/discursos-eu-tenho-um-sonho-retorica-voz-alma.shtml

https://pt.wikipedia.org/wiki/Martin_Luther_King_Jr.

Martin Luther King, Jr.; Carson Clayborne, Peter Holloran, Ralph Luker, Penny A. Russell (1992). The papers of Martin Luther King, Jr King (em inglês) (Califórnia: University of California Press)

http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/15-frases-marcantes-de-martin-luther-king

Arquivado em: Biografias