Oswaldo Cruz

Por Débora Carvalho Meldau
Oswaldo Gonçalves Cruz, nascido no dia 5 de agosto de 1872, na cidade de São Luiz do Paraitinga, foi criado na Gávea, bairro da zona sul do Rio de Janeiro. Filho do médico Bento Gonçalves Cruz e de Amália Taborda de Bulhões, recebeu uma criação muito rígida. Desde cedo, decidiu que profissão seguir, tendo ingressado na faculdade de medicina aos 15 anos de idade. Entretanto, não era um aluno brilhante, mas desde a primeira vez que observou microrganismos ao microscópio, apaixonou-se por eles.

Aos 20 anos de idade casou-se com Emília da Fonseca, sua namorada de adolescência, com quem teve seis filhos. Chamava sua família de sua “tribo” e sua esposa de “minha querida Miloquinha”. Em 1896, viajou para a cidade de Paris para estagiar no prestigiado Instituto Pasteur. Para sustentar sua família na cidade francesa, Oswaldo empregou-se em uma clínica de urologia. No entanto, esse ramo não agradava Oswaldo, que arranjou, então, um estágio no laboratório de toxicologia da cidade: investigação criminal.

Essas atividades não afastaram Oswaldo de seu objetivo de interesse, a bacteriologia. Foi muito bem recebido no Instituto Pasteur, sendo até dispensado de pagar pelo material usado nas pesquisas. Também fez estágios em uma fábrica de vidraria para laboratório, tornando-se, posteriormente, o primeiro a fabricar ampolas no Brasil.

Ao retornar ao seu país natal, foi designado pela Diretoria Geral de Saúde Pública para investigar casos suspeitos de peste bubônica em Santos. O diagnóstico foi confirmado. O único tratamento para a doença, o soro antipestoso, não era produzido no país. Fora então criados dois institutos soroterápicos, um em São Paulo e outro no Rio de Janeiro. O barão precisava de um diretor técnico e foi ao Instituto Pasteur pedir a indicação de um nome para o cargo, sendo que indicaram um cientista do próprio país, Oswaldo Cruz, que no ano de 1902 assumiu a direção geral do Instituto, de onde só saíra 14 anos depois.

O Rio de Janeiro era assolado por doenças como varíola e febre amarela. Os cortiços eram numerosos e as primeiras favelas já surgiam. Nesse cenário, Oswaldo Cruz foi nomeado diretor geral de Saúde Pública. Para debelar a doença, tomou providências polêmica. Convicto da eficiência de suas ações (combate a ratos e mosquitos e vacinação obrigatória da população), talvez tenha lhe faltado um pouco de tato.

A imunização obrigatória, juntamente à reforma urbana que derrubou cortiços e favelas gerou uma grande revolta na população. As manifestações contra a vacina evoluíram para uma rebelião - a Revolta da Vacina. Mesmo achando que poderia ser morto, Oswaldo não deixou de ir trabalhar. Um bilhete de despedida com a sua caligrafia foi encontrado escondido na cartola, caída no chão no meio do tumulto: “Morreu pelo bem do povo, a 10 de novembro de 1904”.

Muito Criticado pela imprensa, virou um dos principais alvos de cronistas e cartunistas, tendo guardado todas as caricaturas e notícias publicadas a seu respeito para lembrar-se da injustiça que sofrera, pois tinha certeza de que o valor de suas medidas tomadas seria reconhecido. Tinha razão: no ano de 1908, outro surto de varíola levou a população a formar filas nos postos de vacinação.

No ano de 1916, Oswaldo deixou o Instituto devido a problemas de saúde que havia previsto. Nove anos antes, já com os primeiros sintomas da nefrite, examinara a própria urina e encontrara albumina, o que não era um bom sinal. Fizera então um testamento e um projeto de seu próprio túmulo, dando ênfase ao isolamento do cadáver: o caixão deveria ser hermeticamente fechado, revestido de bronze e asfalto (projeto que acabou não sendo usado).

Por sugestão do filho, Oswaldo mudou-se para Petrópolis. Foi o primeiro prefeito da cidade, mas sua gestão foi curta, pois a piora de sua saúde o levou a pedir demissão do cargo. Em 11 de fevereiro de 1917, em uma manifestação em frente à casa do sanitarista, os adversários políticos comemoravam a derrota do opositor. Enquanto isso, cercado de amigos, morria Oswaldo Cruz. Falecia o sanitarista, mas a semente deixada por ele estava germinando: o Instituto de Manguinhos.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Osvaldo_Cruz
http://www.miniweb.com.br/cidadania/personalidades/oswaldo_cruz.html
Revista de Manguinhos – maio de 2005.