Formigas zumbis

Por Mayara Cardoso
As formigas são caracterizadas, principalmente, pela sua organização em sociedade, ou seja, cada indivíduo apresenta um grau de cooperação no grupo, comunicação e divisão do trabalho. No entanto, essa propriedade é “posta em xeque” quando o organismo é parasitado por um fungo capaz de alterar radicalmente o seu comportamento, transformando-o em formigas zumbis.

Formiga zumbi. Foto: Hyde Peranitti / Shutterstock.com

Formiga zumbi. Foto: Hyde Peranitti / Shutterstock.com

Os esporos do fungo responsável por esse estado, cujo nome científico é Ophiocordyceps unilateralis, invadem o organismo das formigas da espécie Camponotus leonardi por meio de poros distribuídos pelo corpo das mesmas, dando início a todo o processo. Tal espécie de formigas vive, em geral, nas copas de árvores, no entanto, podem passar pelo chão e, dessa forma, serem infectadas pelo fungo.

Uma vez no organismo da formiga, o fungo passa a dominar completamente o comportamento das formigas (por mecanismos ainda desconhecidos): o andar fica desordenado, em círculos, em ziguezague, parecido mesmo com um zumbi, daí a expressão formigas zumbis. O sistema nervoso central e as fibras musculares da formiga são os alvos do parasita, pois somente dessa forma conseguem controla-las. Assim, é possível fazer com que tais insetos migrem para um local úmido e frio, ambiente ideal para o desenvolvimento e reprodução do fungo.

Quando no local determinado pelo fungo, a formiga contaminada tem sua mandíbula manipulada pelo parasita e é induzida a morder uma folha de plantas rasteiras, geralmente na parte inferior. Depois disso, a hospedeira morre e o fungo passa a se alimentar do seu corpo, utilizando, sobretudo, os carboidratos que compõem seu exoesqueleto. Em algumas pesquisas a respeito das formigas zumbis, foi verificado que, durante o período em que os fungos se nutrem delas, a parte externa do corpo desta fica ilesa, de maneira que outros microrganismos não percebam que há ali uma fonte de alimento. Foi visto, ainda, que a mandíbula da formiga também permanece ilesa, para que o corpo se mantenha fixo à folha.

A combinação do ambiente perfeito com uma fonte de nutrição torna o fungo totalmente capaz de crescer e se reproduzir. Agora desenvolvidos, os fungos rompem a cabeça da formiga, se libertam da carcaça e migram novamente em busca de novos hospedeiros, dando continuidade ao ciclo.

Existem alguns estudos a respeito das formigas zumbis, mas muito se tem a esclarecer sobre esse processo, como, por exemplo, a forma com que o fungo controla o comportamento das hospedeiras; de que maneira e em até que ponto as formigas são susceptíveis a esse parasitismo; o motivo pelo qual os fungos escolhem as formigas; se existem estratégias de defesa das formigas contra o ataque dos fungos, além da expulsão daquelas infectadas; o que determina exatamente o abandono do corpo das hospedeiras pelos parasitas; como agem a outra espécie de fungos (Tremella fuciformis) que ataca os causadores das formigas zumbis, entre outros questionamentos.

Referências
http://misteriosdomundo.com/o-incrivel-caso-das-formigas-zumbi
http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/fungos-que-transformam-formigas-em-zumbis-estao-sob-ataque-de-outro-fungo
http://g1.globo.com/natureza/noticia/2011/03/pesquisa-descobre-fungos-que-geram-formigas-zumbis-em-mg.html