Farmacologia

Por Caroline Faria
A farmacologia é uma ciência muito antiga. Durante toda a história da humanidade as plantas foram utilizadas para produzir ungüentos e remédios para os mais diversos males. No entanto, a farmacologia surgiu como ciência apenas por volta do século XIX quando métodos científicos começaram a ser empregados nos estudos dos efeitos de substâncias químicas sobre os sistemas biológicos, principalmente, o ser humano.

Antes de ser reconhecida como ciência a farmacologia andou de mãos dadas com o misticismo e as diversas religiões. Existem registros de remédios chineses e egípcios muito antigos que tinham seu uso baseado nas crenças desses povos, mas que hoje tem seu efeito comprovado e ainda são utilizados para curar ou aliviar doenças.

O primeiro grande trabalho de que se tem notícia nesta área é o Tratado sobre a Experiência em Medicina de Zimmermann, publicado em 1774, que se baseava em trabalhos de São Tomás de Aquino, Galileu Galilei e outras mentes importantes da época.

Entretanto, com a revolução trazida pelo método científico a farmacologia, assim como as outras ciências, começou a se desenvolver. A princípio seu estudo se dava pela preparação e uso clínico dos medicamentos, a chamada “área médica” através da qual começou a se desenvolver baseando-se, principalmente na compreensão dos efeitos de substâncias naturais (extraídas de plantas, etc.) até que a química orgânica sintética traria um novo campo de pesquisa, já no início do século XX.

Atualmente a farmacologia é um campo bastante dinâmico, ainda mais com o avanço em estudos como genética e biotecnologia. Suas divisões englobam a: farmacodinâmica, que estuda os mecanismos de ação dos medicamentos; farmacocinética, que estuda o destino dos fármacos nos organismos; farmacologia pré-clínica, a fase de estudos in vitro ou in vivo com cobaias; farmacologia clínica, fase de testes com humanos sadios e doentes para verificar os efeitos do medicamento; farmacognosia, estudo das substâncias ativas de animais, minerais e vegetais; farmacoterapia, terapia com o uso de fármacos/medicamentos; fitoterapia, uso de medicamentos derivados de vegetais; farmacotécnica, técnicas de preparo e conservação de medicamentos; farmacoepidemiologia, estudo dos efeitos dos medicamentos numa população; farmacovigilância, detecção de efeitos adversos dos medicamentos, controle da comercialização, qualidade, eficácia, industrialização de medicamentos e outros fatores relacionados.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.