Genética

Mestrado em Genética (UFMG, 2011)
Graduação em Ciências Biológicas (PUC-Minas, 2008)

A genética é a parte da ciência que estuda a hereditariedade, a estrutura e função dos genes e a variação dos seres vivos. É através da genética que buscamos compreender os mecanismos e leis de transmissão das características através das gerações.

Ilustração: vitstudio / Shutterstock.com

Ilustração: vitstudio / Shutterstock.com

Os primeiros estudos da genética na ciência moderna iniciaram-se com o monge austríaco Gregor Mendel, na década de 1860. Realizando cruzamentos entre linhagens de ervilhas, ele observou a existência de “fatores” distintos que eram transmitidos dos genitores para a prole. Os padrões de herança observados por Mendel correspondem aos padrões de distribuição dos cromossomos nos gametas no processo da meiose. Mais tarde, com o aprofundamento das pesquisas, os “fatores” foram chamados de genes.

Antes de Mendel, um nobre húngaro, Imre Festetics, foi o primeiro a usar o termo genética. Em seu livro, ele descreveu várias regras sobre herança genética, tendo sido o primeiro a descrever os princípios básicos da mutação.

Em genética, a transmissão de informação envolve quatro elementos básicos: a diversidade de estruturas celulares com inúmeras formas especificando aspectos diferentes do organismo; um mecanismo de replicação que copia a informação e repassa à prole; a capacidade de mutação para que haja maior variabilidade; e a capacidade da prole em traduzir as informações herdadas em proteínas.

O método genético fundamental para o estudo dos fenômenos biológicos é a diferença genética entre os indivíduos ou variação genética. Essa variabilidade pode ser de ocorrência natural entre os indivíduos da mesma espécie, caracterizando o polimorfismo genético. Mas pode também ser causada por mutações, onde cada gene mutante revelará um componente genético do processo.

O estudo da genética abrange desde as moléculas até as populações. São nas moléculas de DNA (ácido desoxirribonucleico), parte estrutural dos cromossomos, que se localizam os genes. São os genes que trazem as informações necessárias para a síntese de proteínas. A partir da observação das variantes dos genes é possível investigar as propriedades biológicas dos organismos de forma geral.

As variações de uma mesma característica, as ações do ambiente sobre os indivíduos e outros padrões tais como taxa de reprodução, mutações e até seleção natural são objeto de estudo para os geneticistas analisarem a composição genética em uma população.

A genética é também base para a nossa compreensão da evolução. A mudança evolutiva observada nas populações é a consequência das diferentes taxas de reprodução, mutação, migração e seleção, tornando herdáveis as novas características. Sendo assim, grande parte das explicações evolutivas são também genéticas.

As descobertas em pesquisa genética nos permitem aplicá-la em áreas distintas como a da saúde (genética médica, terapia genética, aconselhamento genético), em ecologia (melhoramento genético de espécies, preservação de espécies ameaçadas de extinção), zoologia (taxonomia molecular animal), dentre outras (taxonomia molecular de microrganismos, genética forense, toxicogenética, epidemiologia genética). Mas ainda há muito a ser pesquisado e, é sempre necessário avaliar quais são os reais benefícios e os possíveis reveses da aplicação desses novos conhecimentos no nosso dia a dia.

Referência bibliográfica:
Dolinsky, L. C. B. As diversas aplicabilidades da genética molecular no século XXI: Uma nova era nas ciências biológicas. 2007. Saúde e Ambiente em Revista. 2 (1): 21-25.

Griffiths, A. J. F., Wessler, S. R., Lewontin, R. C., Carroll, S. B. Introdução à genética. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.

Arquivado em: Biologia, Ciências, Genética