Epidemiologia Genética

Graduado em Ciências Biológicas (UNIOESTE, 2017)

Este artigo foi útil?
Considere fazer uma contribuição:


Ouça este artigo:

A epidemiologia genética, como o próprio nome sugere, é a junção de duas linhas científicas, a epidemiologia e a genética, com isso, essa área da ciência é voltada ao estudo dos genes e fatores genéticos que podem acarretar no desenvolvimento de uma determinada doença.

Relação Epidemiologia e Genética

Uma vez que os fatores de hereditariedade (genética) foram sendo desvendados, a junção dessa área científica com outras áreas se fez necessário para a compreensão do comportamento do material genético no meio e a sua influência no ambiente.

Foi isso que aconteceu com a epidemiologia e a genética, a junção dessas duas áreas é perfeita, pois a partir dos conceitos genéticos é possível:

  • Determinar a frequência de uma patologia;
  • Compreender sobre a interação do DNA com fatores mutagênicos;
  • Identificar a frequência de alelos ligados a patologias;
  • Observar o comportamento de alelos patológicos em uma população.

É comum a dúvida em relação a diferença da epidemiologia genética com outras áreas da ciência, como no caso da epidemiologia clássica, genética de populações e genética médica. Vejamos a seguir a diferença entre cada uma delas.

Epidemiologia Genética vs Epidemiologia Clássica

A grande diferença entre essas duas linhas científicas está no fato de que a epidemiologia genética trata exclusivamente de fatores genéticos ligados as doenças, diferente da epidemiologia clássica, que busca uma compreensão geral sobre a doença, incluído os aspectos genéticos. Ou seja, a epidemiologia genética é uma vertente da epidemiologia.

Epidemiologia Genética vs Genética de Populações

Enquanto a genética de populações estuda o comportamento genético em uma população, a epidemiologia genética busca entender apenas os aspectos genéticos relacionados a patologias que acometem uma população.

Epidemiologia Genética vs Genética Médica

A epidemiologia genética tem o enfoque na doença de uma população, fazendo uma análise não apenas dos aspectos humanos, mas também os impactos dos genes nos fatores ambientais.

Evolução

A princípio a epidemiologia genética era voltada apenas aos estudos de doenças mendelianas raras. Com o desenvolvimento científico e consequentemente um melhor conhecimento sobre material genético, genes, cromossomos e outros fatores genéticos, passou a focar na análise de características complexas que podem favorecer o desenvolvimento de uma patologia.

Entre os exemplos de doenças que possuem tais características complexas, temos:

Aplicabilidade

As principais aplicações da epidemiologia genética estão relacionadas com a mutagenicidade e toxicidade, como na contaminação de alimentos e na exposição ocupacional.

Além disto, essa área da pesquisa atua fortemente nas linhas comerciais, fazendo analise mutagênica, carcinogênica e teratogênica em produtos a serem comercializados.

Na área clínica, trabalha em conjunto com geneticista para a avaliação de laudos, aconselhamentos genéticos e o estabelecimento da relação dano genético e ambiente (expressão do genoma na população).

Por fim, vale destacar a dimensão epidemiológica populacional, que busca um entendimento sobre a distribuição e o comportamento de genes patológicos em uma população.

Presente e Futuro da Epidemiologia Genética

Com avanço da engenharia genética inúmeras técnicas de análise do material genético foram desenvolvidas, com isso, a epidemiologia genética foi e será impactada positivamente principalmente no âmbito da identificação de marcadores moleculares.

Um fator a colaborar com avanço da epidemiologia genética é justamente o fator da heterogeneidade genética que pode contribuir para suprir as lacunas existentes na literatura.

Vale salientar que mesmo com avanço da área, o melhor arsenal para evolução dessa linha de pesquisa continuará sendo os dados familiais, pois servem como base e garantem uma maior amostragem para se ter uma análise epidemiológica a nível populacional.

Referências bibliográficas:

OTTAWAY, James H. Bioquímica da poluição. In: Bioquímica da poluição. 1982. p. 74-74.

RABELO-GAY, M. N.; RODRIGUES, M. A. L. R.; MONTELEONE-NETO, R. Mutagênese, teratogênese e carcinogênese: métodos e critérios de avaliação. Sociedade Brasileira de Genética. Revista Brasileira, Ribeirão Preto, 1991.

SALZANO, Francisco Mauro. Saúde pública no primeiro e terceiro mundos: desafios e perspectivas. Ciência & Saúde Coletiva, v. 7, n. 1, p. 7-16, 2002.

WORLD HEALTH ORGANIZATION et al. Guidelines for the study of genetic effects in human populations. 1985.

THOMAS, Duncan C. et al. Statistical methods in genetic epidemiology. Oxford University Press, 2004.

KHOURY, Muin J. et al. Fundamentals of genetic epidemiology. Monographs in Epidemiology and, 1993.

MACMAHON, Brian; PUGH, Thomas F. Principios y métodos de epidemiología. La Prensa Médica Mexicana, 1981.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Genética, Saúde