Membrana Plasmática

Por Débora Carvalho Meldau
A membrana plasmática, também chamada de membrana celular ou plasmalema, consiste em um envoltório composto por fosfolipídios e proteínas encontradas em todas as células vivas, tanto de seres procariontes quanto em eucariontes.

Esta membrana é composta por uma dupla camada de fosfolipídios, que apresentam os seus grupos polares (grupos hidrófilos) voltados para as faces externa e interna, ou seja, opostos, e os grupos apolares (hidrófobos) adjacentes. No meio da matriz lipídica são encontradas moléculas de proteínas, com grande capacidade de movimentação e deslocamento, apresentando significativa importância na retenção e no transporte de outras moléculas através da membrana plasmática, tarefa que realiza de forma seletiva.

As substâncias que são lipossolúveis transpõem a membrana passando diretamente pela dupla camada lipídica. O restante das substâncias é transportado pelas moléculas protéicas, do meio externo para o meio interno. Íons e pequenas moléculas hidrossolúveis, até mesmo a própria água, atravessam a membrana por meio de diminutos canais compostos pelas moléculas de proteína. Esta estrutura da membrana protéica é chamada de mosaico fluido.

Em diversos tipos celulares são observadas moléculas de glicoproteínas na superfície da membrana plasmática, responsáveis por reter outras moléculas menores para, posteriormente, adentrar no espaço intracelular. Conjuntamente, essas macromoléculas de glicoproteínas apresentam um aspecto mucogelatinoso que reveste externamente a membrana plasmática, recebendo o nome de glicocálix.

Especializações da Membrana Plasmática

Uma vez que a membrana plasmática representa a superfície das células, em muitos casos essa superfície necessita de adaptações especiais, denominadas especializações da membrana. São elas:

  • Microvilosidades: trata-se de diminutas expansões digitiformes na superfície celular, projetadas para o meio extracelular, ampliando, deste modo, a área de absorção da célula. São encontradas, por exemplo, nas células epiteliais de revestimento da mucosa intestinal.
  • Interdigitações: propiciam uma melhor conexão das células entre si num tecido, descrevendo saliências e reentrâncias que se encaixam nas reentrâncias e saliências das células adjacentes.
  • Desmossomos: são especializações da superfície celular que assim como as interdigitações visam uma maior fixação de uma célula às células circunvizinhas. São dispostas irregularmente ao longo das membranas de separação de células contíguas. Cada desmossomo é composto por duas metades, chamadas de hemidesmossomos, sendo que cada pertence a uma célula.
  • Cílios e flagelos: também são englobados nas especializações da membrana celular. Apresentam-se como expansões celulares delgadas e altamente móveis que contribuem para a movimentação celular ou com o surgimento de correntes líquidas ao redor da célula.

Parede Celular

A parede celular, também chamada de parede celulósica, é uma estrutura que envolve a membrana celular nas células dos vegetais e dos organismos procariontes.

É altamente resistente, diferindo em sua composição química quando comparada entre células vegetais e células procarióticas. Nas células vegetais é composta especialmente por acúmulo de celulose, embora ainda possam ser encontradas outras substâncias, como pectina, ácido metapéctico, dentre outras.

Embora esta estrutura seja altamente rígida, é permeável à água, que a atravessa livremente em ambos os sentidos.

Atividades da Membrana Plasmática

A substância responsável por formar a matéria viva e ativa da célula é chamada de protoplasma. Este, por sua vez, é composto por soluções coloidais, soluções químicas e suspensões. As soluções coloidais não são capazes de transpor a membrana plasmática. Por esse motivo, a membrana plasmática é semipermeável, não havendo o extravasamento dos colóides citoplasmáticos para o meio extracelular. Sendo assim, a membrana seleciona o que deve entrar e sair da célula.

Contudo, a água e as soluções químicas podem transpor a membrana com facilidade, por meio do transporte passivo, que compreende o processo de osmose e difusão (difusão facilitada ou difusão simples).

Além do mecanismo dos mecanismos de transporte passivo, a membrana plasmática, uma vez que apresenta permeabilidade seletiva, utiliza também outro recurso para permitir a entrada de substâncias no meio intracelular, o transporte ativo, realizado por meio de enzimas ATPases  Existem ainda outros dois processos que não envolve enzimas específicas, mas sim a própria estrutura da membrana celular, que são a endocitose e a exocitose.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Membrana_plasmática
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Citologia/cito5.php
http://www.mundovestibular.com.br/articles/9207/1/Membrana-Plasmatica/Paacutegina1.html
Biologia- José Luis Soares. Vol único.
Ilustração: http://paginas.ucpel.tche.br/~mflessa/bi6.html