Caldeus

Curta e Compartilhe!


Compartilhar no Whatsapp
Por Tiago Ferreira da Silva
Os caldeus eram povos semitas do sul da Mesopotâmia que habitavam na margem oriental do rio Eufrates. Eles iniciaram seu domínio expansionista após a invasão à cidade de Nínive, que era dominada pelos belicistas assírios, em 612 a.C.

O monarca Nabopossalar, que comandou a insurreição, já fora governador de uma província dominada por assírios e ordenou o ataque após perceber a maior fraqueza desse povo: a administração.

Por mais de um milênio (entre 2000 a.C. e 700 a.C.) os assírios conquistaram um grande número de territórios mesopotâmicos, estendendo sua hegemonia para além do Mar Mediterrâneo, englobando Chipre, Egito e Núbia. Em 625 a.C., o Primeiro Império Babilônico, que fora erigido por acádios, dominou a cidade da Assíria, aumentando a hegemonia da Babilônia - que desta vez tornou-se troféu dos assírios.

Apesar de serem grandes estrategistas bélicos e simpatizantes da guerra, os assírios eram fracos como governantes. Com toda a expansão da Babilônia, eles não sabiam como fazer para unificar todo o território, o que suscitou em inúmeras revoltas civis, facilitando a invasão do povo caldeu.

A partir de então, surgia o Segundo Império Babilônico, erguido pelos caldeus. Sete anos após a conquista, o imperador Nabopossalar faleceu, deixando o poder nas mãos de seu filho Nabucodonosor, responsável pelas principais mudanças na Mesopotâmia que caracterizaram a importância da cultura caldéia.

Ambicioso pelo poder, Nabucodonosor investiu no exército para conquistar os territórios do Egito e dos assírios em sua totalidade. Não satisfeito, expandiu a hegemonia caldeia para Jerusalém, Fenícia e Arábia, que estavam mais despreparados para as invasões. Ainda estavam sob seu domínio a Palestina, a Síria e o Elam, tornando-o o mais poderoso rei do Oriente.

O reinado de Nabucodonosor durou 42 anos (604 a.C. – 562 a.C.) e tornou-se o período mais áureo da Babilônia, principalmente com a construção das maravilhas arquitetônicas como a Torre de Babel e os Jardins Suspensos. Mas também foi impulsionado por violentas repressões contra os inimigos, como o “Cativeiro da Babilônia”, que exigiu a deportação em massa dos judeus de Jerusalém para a Mesopotâmia.

Em 539 a.C., os persas, liderados por Ciro, o Grande, invadiram o território mesopotâmico e dominaram completamente a Babilônia, pondo fim à hegemonia dos caldeus.