Economia da Colômbia

Por Thais Pacievitch
A economia colombiana é baseada principalmente na agricultura e na pecuária. O país é considerado o terceiro mais rico da América do Sul, perdendo apenas para o Brasil e para a Argentina. Seus recursos naturais são abundantes.

O café é principal produto agrícola produzido na Colômbia. A economia colombiana sofre abalos quando a cotação internacional do café cai, devido à importância que a exportação desse produto tem. Os principais destinos do café colombiano são a Europa e os Estados Unidos.

Outros produtos agrícolas bastante cultivados são: cana-de-açúcar, banana, arroz, milho, cacau, fumo, mandioca, algodão, entre outros. Embora importe alguns produtos alimentícios, a Colômbia é auto-suficiente devido a sua alta produtividade. A pecuária do país é favorecida pelas planícies, onde são criados bovinos, caprinos, e eqüinos. A suinocultura e a criação de aves também são importantes para a economia colombiana. A indústria colombiana produz alimentos, bebidas, roupas, couro, máquinas e transportes.

Em relação à mineração, a Colômbia é o maior produtor mundial de esmeraldas. As maiores reservas de carvão da América Latina estão em solo colombiano. Outros produtos de exportação são o petróleo e o ouro.

O Produto Interno Bruto (PIB) da Colômbia, em 2006, foi de US$ 366,7 bilhões, sendo que cresceu 5,20% em relação ao ano interior. O PIB per capita no país foi de US$ 8.891 (estimativa para 2007).

A Colômbia ocupa uma posição de destaque indesejada em relação à “exportações” ligadas ao narcotráfico. Nesse ranking de um comércio ilegal, o país é considerado o número um em várias modalidades: é o país que mais recebe e processa folhas de coca dos países produtores da folha, como o Peru, a Bolívia e o Equador, é o maior exportador de Cocaína para os Estados Unidos e o país americano que mais produz maconha. O narcotráfico, segundo estimativas, movimenta US$ 6 bilhões ao ano.

As cifras do narcotráfico favorecem somente os narcotraficantes. O tráfico de drogas é devastador para a economia do país, a lavagem de grandes somas em dinheiro originado desta atividade e do contrabando, resulta em distorções na economia da Colômbia. A atividade dos cartéis aumentou a concentração de renda e causou o fim de um mercado que até a década de 70 era promissor na Colômbia: o turismo.

O narcotráfico financia ainda o contrabando e o maior grupo de guerrilheiros no país: As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que conta com aproximadamente 17 mil guerrilheiros.