Cisto Renal

Por Débora Carvalho Meldau
Os cistos renais consistem em dilatações de certas porções do néfron, que é a unidade funcional do rim. Estas alterações surgem em decorrência de alguns fatores, como:

  • Aumento da pressão no interior do rim;
  • Aumento do gradiente de soluções salinas que banham o néfron;
  • Obstruções de diferentes graus, que atingem qualquer região do néfron.

Estes fatores auxiliam na passagem dos líquidos para as regiões frágeis do néfron, permitindo a formação de cistos. Durante a formação dessas alterações, sempre ocorre crescimento celular que irá forrar todas as suas paredes. Há também aumento da troca de líquidos (similares ao plasma) responsáveis por preencher o cisto.

Esta alteração pode acometer um único rim ou ambos e, habitualmente, apresentam-se de tamanhos diminutos e em pequena quantidade. Quando o rim é acometido por inúmeros cistos, de diferentes tamanhos, recebe o nome de rim policístico.

Os cistos podem ser do tipo simples ou complexo, variando de acordo com a sua aparência e conteúdo. O primeiro é formado uma membrana preenchida pelo líquido anteriormente citado. Já os cistos complexos, apresentam em seu interior algum material sólido, em certos casos, com áreas de fibrose e contornos irregulares.

Aproximadamente 70% dos cistos adquiridos são do tipo simples. Podem existir desde o nascimento, mas comumente ocorrem após os 50 anos de idade, aumentando a freqüência com o passar dos anos, afetando em torno de 50% dos indivíduos com mais de 60 anos de idade. Podem ser isolados, múltiplos, uni ou bilateral e, em certos casos, pode levar a manifestações clínicas, como dor na região lombar, urina com sangue, infecção urinária e pressão alta (hipertensão arterial). Raramente ocorre infecção dos cistos, resultando na formação de abscessos. Eventualmente, pode haver ruptura de um ou mias cistos, causando sangramento interno ou evidenciando urina com sangue.

É importante ressaltar que o cisto renal simples não evolui para malignidade, sendo considerado normal a presença de até 4 cistos em cada rim, enquanto que os cistos complexos podem, na realidade, não se tratar de cistos, mas sim tumores com aparência de cistos. No entanto, nem todo cisto complexo indica um tumor.

O método de diagnóstico mais eficaz na detecção dos cistos é  a ultra-sonografia abdominal e renal. Este procedimento também permite a diferenciação entre cisto simples e complexo.

Geralmente, não é indicado o tratamento dos cistos renais, uma vez que surgem naturalmente com a idade. No entanto, quando o cisto é  muito grande ou causa dor, existe a opção de aspirá-lo ou removê-lo cirurgicamente.

Fontes:
http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?81
http://www.mdsaude.com/2008/09/cisto-renal.html
http://boasaude.uol.com.br/lib/ShowDoc.cfm?LibDocID=2623&ReturnCatID=487
http://www.urovix.com.br/Urovix/Rim.html

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.