Infecção urinária

Graduação em Biologia (CUFSA, 2010)
Especialização/MBA em Análises Clínicas (Uninove, 2012)

Infecção urinária é causada pela penetração dos microrganismos, em especial por bactérias, que são organismos procariontes, em qualquer um dos órgãos que fazem parte do trato urinário como os rins, ureteres, bexiga e uretra, sendo os locais mais acometido a bexiga e a uretra. Dependendo da estrutura comprometida, a infecção tem nomes diferentes, como uretrite quando acomete a uretra, cistite quando na bexiga e pielonefrite quando acomete os rins. Trata-se de uma condição comum na população em geral, porém, especialmente em mulheres.

Em sua grande maioria, a infecção urinária é causada por uma bactéria denominada Escherichia Coli, uma classe de bactérias bastante comum, encontrada no trato intestinal e importante para a digestão. Outras bactérias também podem ser responsáveis pela infecção, não sendo exclusivo a E. coli. As bactérias também podem estar aumentadas na região da vagina e ânus e acabam invadindo a uretra. Vale ressaltar que a E. coli não é normalmente patogênica, entretanto, pode causar a infecção urinária, além de ser um indicador de contaminação fecal em água e alimentos.

Escherichia coli. Foto: Eric Erbe / USDA

A infecção geralmente ocorre de fora para dentro, quando as bactérias estão presentes na pele ou no trato genital, elas sobem o canal da uretra, chegando até a bexiga.

A principal complicação da infecção urinária ocorre quando as bactérias seguem para os rins, e causam a pielonefrite, que pode evoluir para uma infecção generalizada, já que os rins são responsáveis por filtrar o sangue. Nesse estágio é comum vir acompanhada por febre alta (acima de 37.8°), calafrios e dor na região lombar.

O fato de as mulheres serem mais susceptíveis a infecção urinária se dá devido a anatomia da uretra feminina, que é mais curta e próxima do ânus e por isso facilita a chegada da bactéria a bexiga.

Entre as principais causas de infeção urinária, segurar a urina por muito tempo, a diabetes, relação sexual, pois o pênis pode ajudar a levar as bactérias para a uretra, lembrando que a infecção urinária não é considerada uma doença sexualmente transmissível, e a higienização, são as mais frequentes.

Homens também podem apresentar infecção urinária, mas a taxa de frequência é menor, pois o maior comprimento uretral, maior fluxo urinário e o fator antibacteriano prostático agem como protetores, porém, em geral, homens mais velhos, em média a partir dos 50 anos, são mais susceptíveis, isso devido à presença de patologias prostáticas, e a próstata aumentada não permite que a bexiga esvazie completamente, deixando um resquício de urina parada, que facilita a infeção.

Sintomas

Entre os principais sintomas da infecção urinaria estão:

  • Ardor para urinar;
  • Aumento da micção e pouco volume;
  • Maior frequência urinaria;
  • Sangramento em casos mais graves e;
  • Febre.

Diagnóstico

O diagnóstico é realizado a partir de um exame clínico e de exames laboratoriais de urina tipo 1 e dependendo da necessidade, o especialista poderá também solicitar uma cultura de urina, conhecida como urocultura, para identificação da bactéria que está causando a infecção.

Tratamento

Por se tratar, em sua maioria, de infecções causadas por bactérias, o tratamento mais comum é a utilização de antimicrobianos, nesse caso específico os antibióticos, sendo indicado o uso de forma personificada para o perfil de cada paciente. O uso de antibióticos é extremamente restrito, devido a resistência bacteriana, um problema crescente, causado pelo uso indiscriminado do medicamento. Alguns dos antibióticos mais utilizados são: Ciprofloxacino; Amoxilina; Cefalexina, entre outros. A automedicação também pode ser um problema, pois o indivíduo não está combatendo a bactéria causadora da infecção, e sim apenas os sintomas associados e isso permite que a bactéria permaneça por mais tempo no corpo, levando a maiores complicações.

A infecção urinária pode ser facilmente prevenida, pelo fato de a bactéria estar presente no intestino, os hábitos de higiene adequados, o controle do hábito intestinal e a ingestão de líquidos, principalmente água para a diluição da urina, uma vez que urina limpa o canal e quanto mais urina parada maior a chance de desenvolver a infeção, são medidas importantes que ajudam a evitar a infecção.

Fontes:

https://www.gineco.com.br/saude-feminina/materias-2/infeccao-urinaria/

http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/51735-infeccao-urinaria-tratamento-e-fatores-de-risco

https://www.hospitalsiriolibanes.org.br/hospital/especialidades/nucleo-avancado-urologia/Paginas/infeccoes-urinarias.aspx

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.