Sarna Sarcóptica

Por Débora Carvalho Meldau
A sarna sarcóptica é uma dermatose parasitária causada por um ácaro denominado Sarcoptes scabiei. Afeta diversas espécies de animais, como cães, gatos, equinos, ovinos, caprinos, bovinos e roedores. É altamente contagiosa em animais e pode também afetar a espécie humana. O cão é o animal de companhia mais atingido por esse ácaro.

O contágio se dá através do contato com animais infectados ou instrumentos contaminados; quando no meio ambiente, o ácaro pode resistir alguns dias.

Quando no hospedeiro, o ácaro localiza-se na pele, cavando túneis no estrato córneo, levando a uma dermatite pruriginosa e generalizada. Na maioria das vezes, o animal apresenta pequenas crostas hemorrágicas e perda de pêlo, especialmente, nas regiões ventral, axilar, codilhos (cotovelos), curvilhões (calcanhares) e no espelho nasal. A dermatite apresenta-se acompanhada por uma exagerada produção de gordura, conferindo ao animal um aspecto e odor rançoso. O intenso prurido pode levar ao surgimento de feridas secundárias devido ao intenso ato de coçar exercido pelo animal.

O diagnóstico é feito baseado nos sintomas apresentados, juntamente com a realização de um raspado de pele realizado pelo médico veterinário. O material coletado desse raspado é colocado em uma lâmina e levado ao microscópio, onde será observado o ácaro ou seus ovos, sendo esse raspado realizado nas áreas de preferência pela sarna, como pontas da orelha, abdômen, codilhos ou curvilhões.

O tratamento é feito com utilização de medicação acaricida, que pode ser injetável, oral ou tópica, associada à medicação sintomática que for necessária, como uso de antibióticos, terapia do prurido, banhos anti-sépticos, suplementes nutricionais, entre outros.

Os animais infectados devem ser isolados dos sadios até que haja a cura completa. Além disso, certas precauções devem ser tomadas durante o tratamento, como o uso de luvas e roupas descartáveis quando houver a manipulação do animal, assim como a higienização adequada do ambiente em que o animal vive.

Leia também:

Fontes:
http://www.dogtimes.com.br/sarnas.htm
http://www.revista.inf.br/veterinaria10/revisao/edic-vi-n10-RL80.pdf
http://depts.washington.edu/nnptc/online_training/std_handbook/gallery/pages/sarcoptesphthiris.html

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.