Síndrome de Estresse do Tibial Medial

Por Débora Carvalho Meldau
A síndrome de estresse do tibial medial, também chamada de periostite medial da tíbia, ou ainda, popularmente conhecida como canelite, consiste em uma inflamação da tíbia (principal osso da perna), ou dos tendões e músculos que se encontram adjacentes a este osso, podendo transformar-se em fratura por estresse.

Esta lesão habitualmente é decorrente do copioso impacto da corrida, que causa microtraumas nesta região da perna. É comum em atletas que praticam futebol, ciclismo, tênis, corrida e ginástica artística. Existem alguns fatores que podem favorecer o surgimento desta patologia, que são:

  • Pronação exacerbada dos pés;
  • Prática de atividades físicas em solos rígidos;
  • Utilização de calçado inadequado;
  • Treinamento sem orientação;
  • Passadas muito longas;
  • Falta de firmeza muscular;
  • Fatores genéticos.

Esta lesão é classificada em quatro graus distintos de severidade, sendo que alguns estudiosos da área classificam a fratura por estresse como sendo o grau IV da síndrome.

As manifestações clínicas envolvem dor e inchaço no terço inferior da perna, sendo que a primeira aumenta no início do exercício físico, havendo, após o aquecimento, considerável redução e, após findado o mesmo, esta exacerba-se.

No tratamento desta síndrome, a fisioterapia é importante quando a lesão está instalando-se, uma vez que a progressão da mesma pode implicar em graves consequências, como, por exemplo, uma fratura tibial ou até mesmo uma síndrome compartimental, na qual há redução do fluxo sanguíneo e demais líquidos. Além disso, é imprescindível que a causa seja exterminada.

Para prevenir o surgimento da canelite, deve-se dar preferência para tênis de corrida que apresentem sua parte frontal flexível, devendo-se trocar o mesmo após utilizá-lo de 480 a 640 km. O uso de calcanheira auxilia na redução de impacto, além de suporte para o arco do pé e palmilha de amortecimento. O treino deve sempre evoluir gradativamente e deve ocorrer, de preferência, sobre superfícies mais macias. Também é de extrema importância a realização de alongamento antes e após a atividade física, bem como o fortalecimento prévio da musculatura tibial anterior.

Fontes:
http://www.fisio1.com.br/fisioterapia_02.php
http://pt.wikipedia.org/wiki/Canelite
http://www.nosamamosatletismo.net/Sa%C3%BAde/MedicinaEsportiva/tabid/258/ctl/Details/mid/998/ItemID/1010/Default.aspx
http://www.viacampusclub.com.br/sua-saude/canelite-descubra-como-se-prevenir-da-sindrome-do-estresse-tibial-medial
http://www.milton.com.br/esporte/saiba_mais/ort_2.htm

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.