Economia Internacional

Economia Internacional é o nome dado ao fenômeno que estrutura a cooperação entre países, num sistema de interdependência entre as várias áreas onde a Economia Mundial influencia a política, o comércio, a saúde, as populações, a sociedade e o meio ambiente, entre outros fatores fundamentais para o ser humano contemporâneo. Desse modo, tal assunto ultrapassa as fronteiras da Economia convencional, com suas tradicionais ligações com o Comércio e Finanças Internacionais. Faz-se necessário aqui também a abordagem por meio de um espírito crítico na análise dos principais temas da atualidade.

Didaticamente, a Economia Internacional é enquadrada como parte dos estudos de Ciência Política e Relações Internacionais. Seu principal objetivo será o estudo da estruturação das relações econômicas globais, enfatizando a importância do conceito de cooperação entre nações, surgido com a constituição do Estado Nacional Moderno e seus conflitos por definição de fronteiras, despertando assim, o fenômeno do interesse nas trocas comerciais. A cooperação entre Estados é também esboçada pouco depois, como por exemplo nos estudos desenvolvidos por David Ricardo no século XIX, que já fazia menção ao sentido cooperativo de união entre os povos, buscando a união, para a conquista de avanços conjuntos comuns.

O processo de atuação dos países no sistema econômico internacional vincula-se às relações de compra e venda de mercadorias, não se tratando necessariamente de excedentes, onde põe-se a necessidade, para todas as nações, de obter divisas, garantindo desse modo os bens de primeira necessidade, indispensáveis ao abastecimento interno. Ao mesmo tempo, temos a indústria local buscando a venda de suas mercadorias.

Com o intuito de obter uma situação superavitária ou ao menos de um certo equilíbrio, tais variáveis devem ser administradas pelos agentes políticos e econômicos, de modo que a economia, bem como a sociedade a qual esta se faz subordinada disfrutem de estabilidade plena.

É natural que em tal sistema haja desencontros, e desses desencontros ocorra o desequilíbrio, bem como as irregularidades como o dumping, por exemplo, onde determinado país barateia de modo tão drástico certa mercadoria, impedindo qualquer concorrência de outros países que a produzam. Outro problema encontrado no cenário econômico mundial é o do protecionismo, no qual um país subvenciona determinado produto para que este tenha condições de concorrer com seu similar internacional, problema com o qual o Brasil se depara há tempos, pois reivindica o fim das subvenções de vários produtos agrícolas por parte da União Europeia.

Sob outra ótica, o protecionismo é às vezes defendido e encorajado, como o foi no início dos anos 50 por vários economistas que acreditavam que a melhor forma de a América Latina obter um desenvolvimento econômico seria através do protecionismo de sua indústria, nascente àquela época.

É certo que o encontro de um equilíbrio no comércio entre as nações depende de inúmeros fatores, e a conciliação entre fatores internos e externos são muitas vezes complexos, o que nem sempre permite que todas as nações usufruam de uma situação positiva em suas relações de comércio com o exterior.

Bibliografia:
http://www.eumed.net/cursecon/libreria/2004/lgs-ens/31.htm - Página Eumed.net / Enciclopedia Virtual - A Economia Internacional

http://hermes.ucs.br/ccea/dece/jmrocha/EconomiaI/dezembro/Economia%20Internacional.pdf - Página
hermes.ucs.br - Economia Internacional - Qual a importância do comércio entre as Nações? - Até que ponto é preciso exportar e importar?

Arquivado em: Economia