Iodo

Por Emerson Santiago
Iodo (I) é um sólido negro e lustroso com leve brilho metálico, sendo encontrado na natureza sob forma de vários compostos concentrados em pequenas proporções (por volta de 1 e 50 mg/kg) na água salgada do mar, em forma de iodeto de sódio (NaI) além de estar presente nos compostos petrolíferos em forma de iodeto de potássio (KI). Além de ser extraído industrialmente desses locais (água salgada e veios petrolíferos) é também obtido como subproduto do processamento do chamado "Salitre do Chile", onde faz-se presente na forma de iodato de sódio (NaIO3).

O iodo foi descoberto em 1811, por obra do francês Bernard Courtois, um fabricante de salitre encarregado de produzir nitrato de potássio para os exércitos de Napoleão, sendo estudado mais detalhadamente por Gay-Lussac e Humphrey Davy, sendo batizado em 1813 com o nome atual, que por sua vez se origina do grego "ioeides", ou seja, violeta, em referência à cor do vapor liberado pelo elemento.

O iodo é um sólido altamente volátil em temperatura ambiente, tendo uma aparência e coloração próxima ao negro. Já seu gás apresenta cor azul-violeta de odor irritante. Não se dissolve facilmente em água, ao contrário do que ocorre quando em contato com compostos como o dissulfeto de carbono, tetracloreto de carbono e clorofórmio, legando a esses elementos coloração violeta. Ao ser dissolvido em álcool ou éter, forma soluções de cor marrom.

O iodo exibe determinadas propriedades de metais, além de combinar-se com muitos outros elementos, sendo porém menos ativo que os demais elementos halogênios, que o removem dos iodetos.

Assim como as demais substâncias de seu grupo (os halogênios), o iodo não é encontrado em estado livre na natureza. Seu peso específico é de 4,93 g/cm3, com um ponto de fusão localizado em aproximadamente 113,7 graus Celsius, possuindo um peso atômico de 126,9. Seu número atômico é 53, valendo ao iodo um lugar entre os elementos denominados "halogênios" na tabela periódica dos elementos químicos.

Desde sua descoberta, o elemento contribui bastante para o desenvolvimento de toda tecnologia química, como por exemplo as pesquisas de Hofmann em química orgânica sintética e também as experiências de Williamson, Wurtz e Grignard em meados do século XIX.

O iodo puro pode ser obtido por meio da reação do iodeto de potássio com sulfato de cobre. Comercialmente, obtêm-se o elemento através da ação do cloro gasoso na água salgada, oxidando-se os íons.

Apesar de ser essencial no funcionamento do organismo humano, o excesso de iodo produz efeitos similares ao da falta do mesmo. Em sua forma elementar, torna-se fatal caso ingerido em quantidades superiores a 2 e 3 gramas.

Leia também: Iodo Radioativo

Bibliografia:
http://www.tabela.oxigenio.com/nao_metais/elemento_quimico_iodo.htm
http://www.mspc.eng.br/quim1/quim1_053.asp
http://www.alginategum.com/WebSite/175417/ServInfo/1724522.aspx