Corrente Contínua e Alternada

Por Emerson Santiago
Recebem o nome de corrente contínua (C.C. ou D.C. no equivalente em inglês) e corrente alternada (C.A. ou A.C. no equivalente em inglês) dois sistemas diferentes de coordenar o fluxo de elétrons dentro de um circuito elétrico.

Uma corrente é considerada contínua quando o fluxo dos elétrons passa pelo fio do circuito sempre em um mesmo sentido, ou seja, é sempre positiva ou sempre negativa, circulando no sentido do pólo positivo para o pólo negativo, se considerarmos o sentido convencional da corrente, ou circula do pólo negativo para o pólo positivo, se considerarmos o sentido da corrente dos elétrons. A maior parte dos circuitos eletrônicos trabalha com corrente contínua, sendo as pilhas e as baterias os melhores exemplos de onde encontrar este tipo de corrente.

A corrente alternada é caracterizada por um fluxo alternado no sentido dos elétrons. Neste contexto, eles estão mudando de direção a todo momento, estima-se que 120 vezes por segundo. Tal variação permite aos transformadores de uma linha de transmissão receberem a energia elétrica produzida, permitindo que esta percorra uma maior distância.

O problema com o sistema de corrente contínua é que nele não há alternância, não sendo aceito pelos transformadores e assim não consegue ganhar maior voltagem. Desse modo, a energia elétrica não pode seguir muito longe. Por essa razão, a corrente contínua é usada em pilhas e baterias ou para percorrer circuitos internos de aparelhos elétricos, como o de um computador. Tal corrente não serve, porém, para transportar energia entre uma usina e uma cidade. Caso o ser humano tivesse insistido em transmitir energia a longas distâncias por meio da corrente contínua, seria necessário a construção de usinas produtoras de energia elétrica a cada dois quilômetros ou três.

O final do século XIX presenciou um episódio curioso em meio à descoberta da energia elétrica e suas propriedades, que foi a chamada "Guerra das Correntes". Gradualmente, o EUA começavam a utilizar a electricidade para substituir a energia do vapor nas fábricas e o gás na iluminação das casas. Em breve surgiria a dúvida se o melhor sistema a usar era a corrente contínua, desenvolvida por Thomas Edison ou a corrente alternada de Nicola Tesla, bancada pelo empresário George Westinghouse. Em meio à disputa seguiram-se desdobramentos surpreendentes, onde Edison, para provar o "risco" da corrente alternada eletrocutava animais em exposições públicas, e chegou ainda a criar a cadeira elétrica utilizando um gerador de Westinghouse, como modo de embaraçar o concorrente e mostrar os perigos da corrente alternada. No fim, o sistema de Tesla e Westinghouse prevaleceu para a transmissão de eletricidade a grandes distâncias, e a corrente contínua permaneceu eficaz no campo da eletroeletrônica.

Bibliografia:
R.L. (?). Qual a diferença entre Corrente Alterna e Corrente Continua. Disponível em <http://www.tecnologiadoglobo.com/2009/02/diferenca-entre-corrente-alterna-e-corrente-continua/>. Acesso em: 02 abr. 2012.

indeterminado. Corrente contínua e alternada. Disponível em <http://www.sofisica.com.br/conteudos/Eletromagnetismo/Eletrodinamica/caecc.php>. Acesso em: 02 abr. 2012.

indeterminado.Qual a diferença entre corrente alternada e corrente contínua? Disponível em <http://mundoestranho.abril.com.br/materia/qual-a-diferenca-entre-corrente-alternada-e-corrente-continua>. Acesso em: 02 abr. 2012.

HOLLANDA, Jayme Buarque de. Guerra das "correntes" de energia elétrica. Disponível em <http://www.monitormercantil.com.br/mostranoticia.php?id=11109>. Acesso em: 02 abr. 2012.