Corrente Contínua

As cargas elétricas sob a ação de uma diferença de potencial podem entrar em movimento. Para isto, é necessário que o meio material do qual elas fazem parte seja condutor.

Em geral, os condutores não são perfeitos, ou seja, possuem certa resistividade. Portanto, quando uma tensão é aplicada, as cargas elétricas atingem uma velocidade constante ao longo do condutor em questão. A este movimento das cargas elétricas dá-se o nome de corrente elétrica contínua. Observe o gráfico ixt.

Note que o valor de da corrente elétrica i permanece constante para quelquer instante de tempo. A corrente elétrica é dada pela equação:

i =ΔQ/Δt

Esta equação satisfaz a todos os tipos de corrente elétrica. Porém, para corrente contínua, haverá um fluxo de cargas elétricas igual para intervalos de tempo iguais. Ou seja, a quantidade de cargas elétricas que passa por uma seção transversal reta de um condutor é igual para intervalos de tempo iguais.

A unidade de medida de intensidade da corrente elétrica é o ampère, em homenagem ao importante estudioso na área, o cientista francês André Marie Ampère (1775 – 1836). Este cientista nasceu em Polemieux-Le-Mont-d'Or, próximo a Lyon, na França. Seu trabalho de maior relevância talvez tenha sido a famosa lei circuital de Ampère, que assim como a lei de Gauss, aproveita a simetria do problema para facilitar a resolução, tornando-a mais fácil e elegante. Claro, a lei de Gauss relaciona campo elétrico, carga elétrica e força elétrica. Já a lei de Ampère trata de campo magnético criado por uma corrente elétrica.

Leia também:

Referências bibliográficas:
HALLIDAY, David,  Resnik Robert,  Krane, Denneth S.  Física 3, volume 2,  5 Ed. Rio de Janeiro:  LTC,  2004.  384 p.