Manuel Antônio de Almeida

Por Paula Perin dos Santos
Manuel Antônio de Almeida (1831-1861) nasceu no Rio de Janeiro. De família pobre, cursou Medicina com muita dificuldade, mas dedicou-se ao jornalismo. Produziu apenas uma obra: “Memórias de um sargento de milícias”.

Este romance, publicado sob o pseudônimo de “Um Brasileiro” em folhetins do Jornal Correio Mercantil onde Manuel Antônio trabalhava, veio instaurar no Brasil uma obra de grande senso de humor, malandragem e descompromisso com o sucesso.

Foi provavelmente no contexto humilde onde viveu que o autor buscou o universo de sua obra. Memória de um sargento de milícias constitui uma obra de caráter singular, porque apresenta uma série de procedimentos que fogem ao padrão da prosa romântica do século XIX. Manuel Antônio de Almeida utiliza uma linguagem mais popular e coloquial, mais “brasileira” por assim dizer e, ao desmitificar a figura do “herói” romântico com o malandro Leonardo, ele introduz em seu romance uma característica marcante do Modernismo, movimento que surgiria apenas no século XX: uma visão realista, crítica e até irônica da realidade em detrimento àquela visão idealizada e ufanista do Romantismo.

Além disso, Manuel Antônio dá vida e espaço a figuras comuns da sociedade, como a comadre, o barbeiro, o delegado, o soldado, entre outros. Ao retratar os costumes, o comportamento e o cotidiano das camadas populares da sociedade, o romancista abre espaço para a prosa regionalista que surgiria anos mais tarde e que trataria de outras realidades mais “feias e pobres”, como O Cortiço, A Casa de Pensão, dentre tantos outros.

Podemos afirmar que, mesmo vivendo pouco tempo o escritor conseguiu mostrar, em apenas uma obra, que era um homem bem à frente de seu tempo. Quando a preocupação dos grandes romancistas era escrever romances românticos para atender a uma determinada classe social, Manuel Antônio de Almeida apresenta no contexto de sua obra uma visão cômica e irônica da realidade vigente, sem se preocupar com os moldes literários de sua época.

Fontes
CEREJA, William Roberto e MAGALHÃES, Thereza Analia Cochar. Português: Linguagens - Literatura, gramática e redação. São Paulo, Atual editora, 1990.