Joaquim Manuel de Macedo

Doutorado em Letras - Literatura e Língua Portuguesa (PUC-Rio, 2013)
Mestrado em Linguística, Letras e Artes (PUC-Rio, 2008)
Graduação em Jornalismo (PUC-Rio, 2001)

Joaquim Manuel de Macedo nasceu em 24 de junho de 1820 em São João de Itaboraí, Província do Rio de Janeiro, filho de Severino de Macedo Carvalho e Benigna Catarina da Conceição. Apesar dos escassos registros sobre sua infância e adolescência, sabe-se que ingressou cedo na carreira jornalística que exerceu por toda sua vida, colaborando em semanários como O Itaboraense e O Popular. Posteriormente, veio a formar-se em Medicina, profissão que nunca exerceu.

Sua grande popularidade rendeu-lhe uma amizade com o imperador D. Pedro II, do qual tornou-se colaborador, atuando no desenvolvimento artístico e literário que marcou as três primeiras décadas de seu reinado. Essa amizade também rende a Macedo uma nomeação ao cargo de professor de História do Brasil e Corografia no Colégio Pedro II. Algum tempo depois, torna-se sócio-fundador, secretário e orador do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

Joaquim Manuel de Macedo.

Ingressando na política, filiado ao Partido Liberal, é reeleito várias vezes como deputado na Assembleia Provincial do Rio de Janeiro, além de ocupar por dois mandatos (1864-68 / 1878-81) o cargo de deputado geral. Seu interesse pela vida política do país também se manifesta no Jornalismo, por meio de artigos de opinião redigidos para a A Nação, jornal do Partido Liberal.

Entre suas obras, a mais famosa é o romance A Moreninha, publicado em 1844, quando Macedo ainda era estudante. O livro, escrito durante as férias acadêmicas do autor, narra a história da paixão entre os jovens protagonistas Augusto e Carolina (a Moreninha), ocorrida durante um feriado em Paquetá.

O estrondoso sucesso de público de A Moreninha abre as portas da carreira literária para o jovem autor, que, no ano seguinte, lança O Moço Loiro, seu segundo romance, com o qual também viria a obter considerável êxito.

Até o fim de sua vida, publica mais nove romances: Os Dois Amores (1848); Rosa (1849); Vicentina (1853); O Forasteiro (1855); Os Romances da Semana (1861); Rio do Quarto (1869); A Luneta Mágica (1869); As Vítimas-Algozes (1869); As Mulheres de Mantilha (1870-1871).

Em 1849, com a colaboração de Gonçalves Dias, funda a revista Guanabara. Nela, veio a publicar boa parte de seu poema A Nebulosa, sua mais bem-sucedida incursão no gênero.

Além de prosa e verso, Macedo também se dedicou, com relevante sucesso, à dramaturgia. Entre suas peças mais célebres, destacam-se os dramas O Cego (1845), Cobé (1849) e Lusbela (1863), e as comédias O Fantasma Branco (1856), O Primo da Califórnia (1858) e Luxo e Vaidade (1860).

O autor escreveu ainda duas sátiras políticas, A Carteira do Meu Tio (1855) e Memórias do Sobrinho do Meu Tio (1867-1868), e obras didáticas, tais como: Lições de História do Brasil (1861), Noções de Corografia do Brasil (1873) e Efemérides Históricas do Brasil (1878).

Nos últimos anos de sua vida, luta contra uma degeneração mental, vindo a falecer em 1882, pouco antes de completar 62 anos. Apesar de ter sido um dos escritores mais lidos do período, termina seus dias em pobreza e praticamente esquecido.

Joaquim Manuel de Macedo é o patrono da cadeira n° 20 da Academia Brasileira de Letras.

Referências:

BOSI, A. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 2001.

COUTINHO, A. A Literatura no Brasil, Volume II. Rio de Janeiro: Sul Americana, 1969.

Arquivado em: Biografias, Escritores