Grécia

A Grécia, ou República Helênica (Elliniki Dimokratia, em grego) é um país independente, localizado ao sul da Europa. Com uma população de 38.3 milhões, sua capital é Atenas. A maioria dos gregos segue o cristianismo de rito ortodoxo grego. A língua oficial é o grego e a moeda é o euro, devido à associação com a União Europeia. A Grécia divide fronteiras com o Mar Jõnico, a oeste, Albânia, República da Macedônia e Bulgária a norte, Turquia a leste, e o mar Mediterrâneo ao sul. Seu território tem 131.957 km², área um pouco menor que o estado do Ceará.

A Grécia como estado moderno, independente e unificado surge somente na primeira metade do século XIX. A Guerra da Independência contra o Império Otomano começou em 1821 e terminou em 1830, quando a Inglaterra, França e Rússia forçaram os turcos a conceder independência à Grécia, que ficaria sob comando de um monarca europeu.

Na altura, a Grécia tinha uma área de 47.515 quilômetros quadrados. Sob a influência do "Idea Megali", o ideal de expansão do estado grego para todas as áreas com significativas comunidades gregas, a Grécia adquiriu as ilhas jônicas em 1864, Tessália e parte de Epiro em 1881, parte da Macedônia, Creta, Epiro, e ilhas do Egeu, em 1913; Trácia Ocidental, em 1918, e as ilhas do Dodecaneso em 1947.

A Grécia entra na Primeira Guerra Mundial em 1917, ao lado dos Aliados. Após a guerra, a Grécia tomou parte na ocupação aliada da Turquia, cujo território abrigava considerável população grega. Em 1921, o exército grego marcha em direção a Ankara, mas é derrotado por forças turcas lideradas por Kemal Ataturk, sendo forçado a retirar-se. Sob o Tratado de Lausanne, mais de 1,3 milhões de refugiados da Turquia emigram para a Grécia, e quase 800.000 turcos são enviados para a Turquia. A Grécia foi proclamada a República em 1924, mas o rei George II retorna ao trono em 1935. Um plebiscito em 1946 manteve a monarquia, que foi finalmente abolida por referendo em 8 de dezembro de 1974.

A entrada da Grécia na Segunda Guerra Mundial foi precipitada pela invasão italiana a 28 de outubro de 1940. Apesar superioridade italiana, os defensores gregos expulsam os invasores. Hitler foi forçado a invadir a Grécia em 1941. Após uma ocupação violenta, no qual muitos gregos morreram (incluindo mais de 90% da comunidade judaica da Grécia), as forças alemãs se retiram em outubro de 1944, e o governo no exílio retorna a Atenas.

A Grécia torna-se membro da OTAN em 1952. A 21 de abril de 1967, pouco antes das eleições, um grupo de coronéis comandados por George Papadopoulos toma o poder em um golpe de Estado. A junta suprimiu as liberdades civis, estabelecendo tribunais de exceção, além de dissolver os partidos políticos. Altos oficiais militares gregos retiraram seu apoio à junta, derrubando-a. Eleições são realizadas em novembro de 1974 e Konstantinos Karamanlis torna-se primeiro-ministro. Após um referendo em 1974, o parlamento aprovou uma nova Constituição, e a 1 de janeiro de 1981, a Grécia tornou-se o décimo membro da Comunidade Europeia (hoje União Europeia - UE).

Atualmente, a Grécia é o ator central da crise econômica que assola a Europa, e sua estabilidade, bem como sua permanência dentro da União Europeia correm sério risco. Em 11 de novembro de 2011, Papandreou deixou o cargo de primeiro-ministro para abrir caminho para um governo de coalizão liderado por Lucas Papademos (PASOK).

Bibliografia:
Greece profile (em inglês). Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/news/world-europe-17372886>. Acesso em: 15 set. 2012.
Background Note: Greece (em inglês). Disponível em: <http://www.state.gov/r/pa/ei/bgn/3395.htm>. Acesso em: 15 set. 2012.
Mapa: http://www.travelswise.com/mapgreece.htm

Arquivado em: Grécia