Densitometria Óssea

Por Débora Carvalho Meldau
A densitometria óssea é um exame de imagem que avalia, com precisão e rapidez, a densidade mineral óssea comparada com padrões pré-estabelecidos para idade e sexo.

Esta técnica de diagnóstico foi desenvolvida por John Cameron e James Sorenson, no ano de 1963. O primeiro densitômetro comercial existente foi criado pela Universidade de Wisconsin – Madison USA em 1972, sob a tutela de Richard B. Mazess, fundador da Lunas Corporation. O aparelho foi trazido para o Brasil apenas em 1989.

Este exame é realizado especialmente para diagnóstico de quadros de osteopenia ou de osteoporose, afecções que apresentam uma redução dos níveis de minerais e, conseqüentemente, elevado risco de fraturas, pois os ossos encontram-se mais frágeis.

O exame objetiva avaliar o grau de osteoporose, indicar a probabilidade de fratura, indicar a curva de perda óssea ocorrida com o passar do tempo e auxiliar na terapêutica.

A densitometria óssea é indicada para mulheres que se encontram na pré-menopausa, menopausa, pós-menopausa, em tratamento hormonal, ou de estrógenos ou tireoidianos, bem como que estão sob tratamento com corticosteróides e fármacos anticonvulsivantes.

Em crianças, este exame é indicado quando é necessário acompanhamento do desenvolvimento ósseo, em afecções osteometabólicas e, em certos casos de regime dietético para perda de peso.

Não se faz necessário nenhuma preparação prévia para o exame, como mudanças na dieta, ingestão de fármacos, entre outras, com exceção da ingestão de medicamentos que contenham cálcio. Estes últimos devem ser evitados por, no mínimo, 24 horas antes da realização do exame. Nos casos de suspeita de gravidez, a paciente deve comunicar ao médico.

O paciente não deve passar por exame de Medicina Nuclear por um período prévio de 72 horas e não poderá ter sido submetido a exame radiológico com uso de contraste, devendo esperar pelo menos 5 dias nesses casos.

Durante o procedimento, o paciente não pode usar vestimentas ou acessórios que contenham metais.

Nos dias de hoje, a técnica padrão para a densitometria óssea é a densitometria por DEXA (dual energy X-ray absorptiometry). Este é um procedimento simples e indolor, feito com o paciente deitado na mesa de exame, devendo este, permanecer imóvel, levando apenas de 2 a 4 minutos. O aparelho mede a densidade óssea por meio da detecção da extensão de absorção de fótons (partículas atômicas sem carga) por parte do osso, concebidos por baixos níveis de raio-x.

As medidas de densidade mineral óssea normalmente são aferidas com base na concentração de cálcio, nas regiões escaneadas pela máquina. Habitualmente, a densidade óssea é avaliada no quadril, mas pode também ser medida na coluna e no punho.

Pode-se também realizar a densitometria óssea da coluna; contudo, observa-se que esse exame nessa região em indivíduos idosos pode não ser confiável, pois existe a probabilidade de apresentar valores superiores aos reais, em conseqüência da compressão das vértebras por alterações secundárias e quadros de artrite. Deste modo, as medidas de densidade podem apresentar-se normais ou elevadas, porém os pacientes podem encontrar-se sob risco de fratura.

A osteoporose é definida pela medida da densidade óssea e confrontando os resultados com os valores de referência. Deve-se observar que índices reduzidos de densidade óssea não são muito específicos em indicar o risco de fraturas, sem que sejam levados em conta outros fatores de risco para ocorrência de fraturas.

Pode-se dizer que para determinar a osteoporose, os seguintes passos devem ser seguidos:

  • Densidade mineral óssea (Bone Mineral Density - BMD) que normalmente é medida no quadril;
  • As medidas de BMD são fornecidas em mg/cm2. Esta representa a concentração média de mineral ósseo nas áreas examinadas. Habitualmente, o osso encontra-se normal quando os resultados são superiores a 833 mg/cm2. Um quadro de osteopenia (baixa densidade óssea) encontra-se entre 648 mg/cm2 a 833 mg/cm2. Já a osteoporose apresenta valores inferiores a 648 mg/cm2.

Subseqüentemente, deve-se comparar a BMD encontrada com a densidade óssea normal, pré-definida como a média de BMD em quadris de mulheres caucasianas que se encontram na pré-menopausa.

Por tratar-se de referências com base em mulheres caucasianas, elas não se aplicam necessariamente para homens ou mulheres não caucasianas.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Densitometria_Óssea
http://boasaude.uol.com.br/exam/index.cfm?ExamID=36&View=View&lookup=D
http://www.gineco.com.br/exames-laboratorio/densitometria-ossea.html
http://portaldaradiologia.com/?page_id=546
http://www.fleury.com.br/Medicos/SaudeEmDia/ManualDoencas/pages/Densitometria%C3%93ssea.aspx
http://www.imaginologia.com.br/extra/upload%20publico%20geral/Densitometria-Ossea.pdf
http://www.centrodemedicina.com.br/img/densitometria.pdf

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.