Hipertônico e Hipotônico

Por Júlio César Lima Lira
Em fenômenos de difusão, quando um soluto é transportado por um fluido líquido ou gasoso de um meio mais concentrado para um menos concentrado, ou osmose (quando o fluido envolvido é a água), os termos hipertônico e hipotônico são definidores da análise de movimento e sentido das partículas quando separadas de um meio com concentração diferente.

Um meio hipertônico é justamente aquele que apresenta concentração de um soluto maior em relação a outro meio. Este, por sua vez, é hipotônico em relação ao primeiro. Assim, essas classificações só podem ser empregadas em sentido de comparação e não como definição primária da característica osmótica de uma solução.

Exemplos:

1)      Num caso extremo, ao por sal doméstico em algumas folhas de alface, pode-se perceber que após algum tempo as mesmas estão murchas. Isso se deve ao fato da água presente nas folhas fluírem para dissolver o sal adicionado: portanto, o sal agiria como um meio hipertônico em relação às folhas de alface; enquanto que as mesmas como um meio hipotônico.

Vale ressaltar que a classificação do sal como uma solução altamente concentrada não se aplica, já que se encontra em estado sólido. A classificação como meio assume posição mais aceitável.

2)      Uma hemácia (célula que constitui o sangue) encontra-se em estado túrgido quando é posta em um meio hipotônico em relação a ela. Desse modo, o fluxo de água é de fora para dentro (contrário ao fluxo presente no exemplo acima) e corre o risco de a hemácia se romper (hemólise).

3)      Caso a célula em questão fosse de um vegetal, por haver parede celular suficientemente resistente, esta iria apenas apresentar turgidez ou plasmólise (quando inserida num meio hipertônico).

A osmose reversa, como o próprio nome sugere, ocorre quando um solvente é retirado de um soluto através de uma pressão fornecida (contrariando o gradiente de concentração – o princípio de existência da difusão em geral). Assim, faz-se uso de uma membrana permeável apenas pelo solvente.

Alguns exemplos de osmose reversa são:

  • Dessalinização da água do mar (embora outros métodos possam ser empregados para a separação);
  • Desmineralização de água para produção de fármacos e emprego em procedimentos clínicos (como a hemodiálise);

Essa técnica torna-se mais viável técnica e economicamente quando os solutos são de baixa massa molecular. Uma vez que a pressão fornecida é relativamente elevada e o processo pode ser muito lento.

Fontes:
http://www.hsw.uol.com.br/questao29.htm (acesso em 29/05/2011)
http://www.geafiltration.com/Portuguese/Tecnologia/osmose_reversa.htm (acesso em 29/05/2011)