República

Por Antonio Gasparetto Junior
República é uma forma de governo na qual o governante é eleito pelo povo.

O termo República vem do latim res publica, ou seja, bem comum, coisa pública. É utilizada como administração dos bens e dos interesses públicos. Durante o Império Romano, os escritores utilizavam o termo para ao Estado e ao governo. Durante a Idade Média, a organização das cidades-estados italianas e o renovado interesse pelas obras clássicas de Grécia e Roma antigas induziram os escritores do século XV a utilizar a expressão latina. Outra influência para popularização do termo tem ligação com a obra do intelectual latino Cícero, que traduziu o termo grego politeia para o latim como res publica, o que os estudiosos do Renascimento adaptaram para República. O termo ingressou na língua portuguesa também no século XV e sofreu uma série de adaptações desde sua expressão em latim até assumir a forma atual. Hoje, contudo, República é um termo dotado de ambiguidades e, por vezes, se confunde com democracia ou liberalismo, mas, de modo geral, representa um governo que emana do povo.

Pelos parâmetros atuais, podemos considerar como Repúblicas clássicas os casos de Atenas, Esparta e Roma. Porém há outras Repúblicas antigas que têm ganhado destaque nos estudos históricos atualmente, como é o caso de Arwad, na atual Síria, e da Índia, por exemplo.

A República constitui-se em uma organização político na qual os cidadãos, ou seja, seus representantes, o povo, elegem um chefe de Estado para representa-los por tempo determinado. O chefe de Estado é chamado, geralmente, de Presidente da República. Normalmente, sua eleição é dada através de voto livre e secreto. Mas nem sempre é assim. Em alguns lugares ou em alguns momentos da história pode-se exemplificar casos de governos que permanecem no poder por mais tempo do que o esperado. No caso do Brasil, por exemplo. Getúlio Vargas tomou o poder em 1930 através de um golpe e utilizou várias medidas para permanecer no poder até 1945. Em outras situações, o Presidente da República não é o único representante do Estado ou não é detentor do maior poder, como é o caso das Repúblicas Parlamentaristas. Nestas, o Presidente aparece em segundo lugar em uma escala de poder na qual o principal representante da nação é o Primeiro Ministro. O Presidente de uma República pode deter ou não o Poder Executivo. Quando acumula essa função é o maior representante do Estado. Quando não acumula, há um outro posto político importante no governo da nação.

Fonte:
CARVALHO, José Murilo. Formaçao das almas: o imaginario da Republica no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.