Império Romano

Graduada em História (Udesc, 2010)
Mestre em História (Udesc, 2013)
Doutora em História (USP, 2018)

O Império Romano foi o período da história de Roma que se iniciou com nomeação de Otávio Augusto no ano 27 a.C. e termina com o fim do Império Romano do Ocidente em 475 d.C. que marca o fim da Idade Antiga e início o da Idade Média. A palavra Império vem da palavra de generais, do latim Imperator que significa “aqueles que mandam”. Além de ser marcado pelo fim de todo um tempo histórico, o período imperial vai ser marcado por várias mudanças socioculturais como o a população miscigenada, o nascimento do cristianismo, a construção de vários monumentos arquitetônicos e a contínua expansão territorial.

O fim da República em Roma (509 a.C. a 27 a.C.) com a morte do general Júlio César, que teria tentado apaziguar muitas dessas crises se autoproclamando o Ditador Geral, gerou ainda mais crises. No ano 31 a.C Otávio, sobrinho e herdeiro de Júlio César, assumiu o controle e é nomeado o único general, e teve aprovação do senado, que o nomearam de “princeps”, no latim, o “principal”, e por isso Otávio ficou reconhecido com o Príncipe. No ano de 27 a.C Otávio recebe o título de Augusto (do latim “o venerável”). Augusto vai comandar o Império juntamente com os poderes as várias instituições que se mantiveram da República, tais como o senado e o exército. Otávio Augusto iniciou um período na história romana de abundância e relativa paz interna, que duraria cerca de 250 anos, e ficou conhecido como a “Paz Romana” (Pax Romana).

A sucessão dos imperadores romanos não se dava por meio da hereditariedade, assim como no caso dos reis. Os imperadores concentravam todos os poderes, que antes eram desempenhados pelas outras instituições republicanas, estas por sua vez, continuaram existindo com o intuito de auxiliar a centralização do poder. Aos imperadores eram destinados grandes monumentos, pois a sua adoração era semelhante aos deuses, erguiam-se arcos do triunfos e edifícios com as mais variadas homenagens e reverências. O período da paz romana foi marcado por inúmeras transformações, novas conquistas foram estabelecidas, a grande movimentação da cultura e da economia, construções de novos monumentos como foi o Coliseu no ano 79 d.C, por exemplo.

Coliseu (Roma, Itália). Foto: Viacheslav Lopatin / Shutterstock.com

O Império foi herdeiro da expansão territorial vivenciada por Roma nos últimos séculos tendo o seu apogeu no século II d.C. Muitos povos foram incorporados ao Império dando a ele um aspecto multicultural, já que muitos desses eram considerados muitas vezes cidadãos: No oriente médio, os hebreus, os gauleses na França, os bretões na Inglaterra, e na região do mediterrâneo os gregos e os egípcios. Esses povos formavam a novo aspecto em Roma, pois aqueles que não eram incorporados como cidadãos, deviam pagar tributos que rendiam muito ao Estado. Uma das maiores necessidades desse gigantesco território eram as vias de comunicação entre as províncias e o Império, neste caso a manutenção constante das estradas foi crucial para que se mantivesse recebendo os impostos. Além da comunicação era necessário se manter as leis e as ordens, e para isso os romanos mantinham ao longo do seu território postos avançados do exército e muitos acampamentos militares. As presenças militares nesses locais faziam com que Roma marcasse aqueles espaços transmitindo suas leis. Neste momento o Império chegou a ter mais cinquenta milhões de habitantes sob sua proteção, tendo um exército com apenas 390 mil homens, que comparados com o tamanho da população se revelavam poucos. Este dado nos faz perceber que o controle efetivo se dava por meio do cooptação das elites locais das províncias dominadas.

Fórum Romano, o centro da antiga capital do Império. Foto: Artem Avetisyan / Shutterstock.com

As províncias a partir do século I eram dividas em dois tipos: as senatoriais, controladas por membros escolhidos pelo senado, e as imperiais controladas por militares indicados diretamente pelo imperador. As províncias imperiais desempenhavam o papel de pacificar áreas ainda não dominadas e áreas de fronteiras. As províncias tinham um governo centralizado, compostos por conselhos administrados pelas elites romanas que estavam presentes juntamente com os libertos de cada região, geralmente essa administração ficava nas capitais das províncias, o que era um facilitador na arrecadação de impostos e demais despesas na área da manutenção, tais como estradas, aquedutos, que eram desempenhadas pelos escravos. Nos séculos I e II d.C., os imperadores romanos ampliaram a cidadania romana, e muitos provincianos que lutavam no exército ou exerciam cargos importantes aos romanos, adquiriam cidadania romana após concluírem suas atividades.

A maior parte da população romana era composta de pessoas livres, porém na base trabalhadora romana estavam os escravizados que chegavam a contar mais de vários milhões espalhados em todo o Império. Alguns dos libertos passaram a executar funções de funcionários públicos, e chegaram a atingir grandes cargos. Ou conseguiram enriquecer por meio do comércio e foram incorporados à aristocracia romana. É possível perceber que a mobilidade social romana não era tão restrita, e que o direito à cidadania estava cada vez mais ampliado. Vale ressaltar que a maior parte desses ex-escravizados procediam das mais variadas províncias dominadas pelos romanos. Muitas das consequências dessas misturas foram as novas línguas que misturadas ao latim eram chamadas pelos romanos de línguas vulgares, que eram dialetos misturados ao latim que viriam a formar várias línguas que conhecemos até os dias de hoje como o português, o espanhol, o francês, o italiano e o romeno, por exemplo.

Foi no contexto dos grandes domínios imperiais que nasceu Jesus, um judeu humilde que vivia na Palestina e que o pouco que sabemos dele, está nos evangelhos e no novo testamento da Bíblia. Ao pregar suas ideias sobre religião, este homem vai agregar inúmeros seguidores por onde passa, ao ponto de gerar embates com os romanos que o condenaram a crucificação por volta do ano 30. Após a morte deste profeta, muitos fieis passaram a propagar seus ensinamentos ao longo do Império Romano, chegando a cidade de Roma onde logo teve muitos adeptos entre os principalmente plebeus e escravos. Os mais pobres se encantavam principalmente com as promessas da nova religião de redenção dos pecados e vida eterna próspera para aqueles que o seguissem, a esperança de uma vida melhor. No ano de 64 dois seguidores do cristianismo e fundadores da sua Igreja, Pedro e Paulo, foram perseguidos pelos romanos e acabaram morrendo como mártires pela nova religião que já encontrava adeptos entre os mais ricos também.

Por pregar o monoteísmo, o cristianismo acreditava que apenas Deus poderia ser cultuado, e era uma prática do Império romano cultuar os imperadores como deuses. Desta forma, além de pregar a justiça social, a religião ia contra os princípios daqueles que exploravam os mais pobres, os imperadores. No século II, a nova religião já tinha adeptos por toda parte no Império Romano. As mulheres das elites romanas tiveram grande adesão ao cristianismo, principalmente aqueles que eram deixadas de lado pelas religiões tradicionais. Se no primeiro momento acreditavam na redenção e em uma vida melhor no futuro, o que fica para essa geração de cristãos e a salvação e a vida pós a morte, muito seguiam a religião principalmente por essa recompensa.

Muitos cristãos vão ser perseguidos ao longo do Império entre os séculos I a IV. Nesse momento o cristianismo era considerado ainda uma religião ilegal nos domínios romanos, mesmo assim as autoridades não achavam conveniente se contrapor a força dos cristãos. Somente em 313 que o Imperador Constantino concedeu a liberdade de culto aos cristãos assinando o Édito de Milão. Em seguida o próprio imperador se converte ao cristianismo e passa a adotar essa religião com a principal de todo o Império, inclusive passou a perseguir quem adorasse a outros deuses, muito diferente das liberdades de culto que era uma das grandes características da religião romana. A Igreja e o Estado romano passam a se confundir, e o cristianismo passa a ser a base do Império romano. E muda completamente a civilização romana em menos de quatro séculos.

No início do século IV as invasões dos povos bárbaros eram constantes e ameaçaram o todo território de Roma. Foi o imperador Teodósio, em 395, o primeiro a sugerir que Império Romano fosse dividido em duas partes: a parte Ocidental e a parte Oriental. O ocidente ficaria com a sua sede em Ravena, que posteriormente teria sido realocada em Milão, enquanto o segundo tinha sua capital em Bizâncio.

A nova proposta para tentar salvar o Império Romano não foi eficiente, pois não foi capaz de conter as invasões bárbaras, e o império estava fadado a permanecer nas suas crises financeiras. No século V os povos inimigos de Roma, vindos do norte da Europa, tomaram diversas partes do território. Os visigodos ficaram com a península ibérica, os vândalos anexaram o norte da África, os francos retomaram a Gália e os Anglo-saxões a Bretanha. Roma foi saqueada, e o seu último imperador do Ocidente, Rômulo Augusto, foi deposto do seu cargo no ano de 476, marcando o fim do Império Romano, gerando a sua completa destruição a ruralização da sua população. O Império Romano do Oriente – também conhecido como Bizantino – permaneceu até o ano de 1453.

Dinastias Romanas

Leia abaixo resumos sobre as Dinastias de imperadores romanos:

Referência:

FUNARI, Pedro Paulo. Grécia e Roma. São Paulo: Contexto, 2002.