Gases do Efeito Estufa

Por Ana Lucia Santana
Na atmosfera do Planeta Terra há uma proporção harmônica de cada elemento que a compõe - 78.1% de Nitrogênio, 0 a 4% de Vapor de água, 0.93% de Argônio, 0.3% de Dióxido de Carbono, 21% de Oxigênio, menos de 0.002% de Néon, 0.0005% de Hélio e 0.0002% de Metano.

Sempre que algum fator rompe este equilíbrio natural, especialmente em consequência da disseminação ou da redução dos gases de efeito estufa, o grau de calor do globo terrestre é atingido, pois são justamente estes elementos químicos que determinam a temperatura do Planeta.

Estes gases devoram grandes porções de radiação infravermelha, a qual emana particularmente da crosta da Terra, e assim torna mais difícil sua irradiação para o circuito espacial. Este mecanismo é autopreservativo, pois evita que o Planeta libere altas temperaturas para o Cosmos, deixando a Terra quente o suficiente para que seres vivos sobrevivam neste ambiente.

O famoso efeito estufa, portanto, é super natural, e vem se repetindo no Planeta desde seu surgimento no Universo. Sendo assim, pode-se afirmar que ele é essencial para a preservação da existência na Terra. Sem sua atuação, o frio seria tão insuportável - 33°C a menos -, que nenhuma criatura conhecida resistiria. O problema é que os gases do efeito estufa têm se proliferado com grande velocidade, provocando um excesso de temperatura configurado como mudança climática.

Houve uma progressão do índice de incidência destes gases, especialmente do Dióxido de Carbono (49%), Metano (18%), Clorofluorcarbonetos - CFC (14%), Óxido Nitroso (6%), e outros Gases, calculados em 13%. Dentre eles, pode-se dizer que o metano é 20 vezes mais nocivo que o dióxido de carbono. Este aceleramento da concentração de gases que atuam no efeito estufa vem ocorrendo há pelo menos 100 anos.

Este fenômeno não está acontecendo naturalmente, mas sim por efeito da atuação do Homem, responsável pela irradiação destes elementos, principalmente nas atividades industriais. A interferência humana neste equilíbrio, imprescindível para a sobrevivência na Terra, já está cobrando seus tributos na produção do chamado aquecimento global, nas chuvas torrenciais, no derretimento das calotas polares, e pode trazer ainda mais sérios e funestos resultados em um futuro próximo.

As opiniões científicas sobre este assunto são ainda muito contraditórias. Alguns acreditam que as alterações climáticas seguirão seu curso antes que qualquer ser vivo consiga se adaptar às novas condições ambientais, o que pode ser catastrófico para os ecossistemas do Planeta. Outros afirmam que o aumento destes gases, principalmente do Dióxido de Carbono e do Metano, incrementará a produção agrícola, especialmente em ambientes como as florestas tropicais – o maior exemplo deste contexto é a Floresta Amazônica.

Embora os maiores vilões desta história sejam as nações mais desenvolvidas, países em desenvolvimento, como China, Índia e Brasil, ganham cada vez mais destaque no cenário internacional como emissores significativos destes gases, mesmo assim eles ainda mantêm baixos patamares de circulação gasosa. Providências, como o sequestro de carbono, foram estabelecidas pelo Protocolo de Quioto, tratado de natureza internacional, que assumiu a obrigação de contribuir para a redução da emissão dos gases que aumentam o efeito estufa.

Entre os fatores que contribuem para a ampliação da quantidade destes gases na atmosfera do Planeta, estão as queimadas, a produção de combustíveis fósseis, o desflorestamento, o consumo excessivo de carne – o gado produz metano, ainda mais letal para o meio ambiente -, entre outros.

Fontes:
http://educar.sc.usp.br/licenciatura/2003/ee/Efeito_Estufa.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Gases_do_efeito_estufa
http://pt.wikipedia.org/wiki/Protocolo_de_Quioto
http://www.sitecurupira.com.br/meio_ambiente/meio_ambiente_gases.htm