Sequestro de carbono

Mestre em Ciências Biológicas (UFRJ, 2016)
Graduada em Biologia (UFRJ, 2013)

As atividades humanas como a queima de combustíveis fósseis, a incineração de lixo doméstico e queimadas em campos e florestas são as principais fontes de poluição atmosférica. Elas liberam anualmente milhões de toneladas de gases tóxicos, incluindo gases do efeito estufa. Um dos principais responsáveis pelo aumento do efeito estufa é o gás carbônico (CO2), o qual impede a radiação infravermelha emitida pela superfície terrestre de se dissipar. Sua quantidade na atmosfera vem aumentando desde a Revolução Industrial como resultado do aumento das atividades humanas que causam poluição atmosférica, principalmente a queima de combustíveis fósseis.

Indústrias lançam milhões de toneladas de dióxido de carbono na atmosfera todos os anos. Foto: Tatiana Grozetskaya / Shutterstock.com

Uma forma de controle da concentração desse gás é o processo chamado de sequestro de carbono. Ele consiste na absorção de grandes quantidades de carbono da atmosfera na forma de CO2 ou outros compostos que tem potencial imediato para se tornar gás carbônico. O sequestro de carbono ocorre naturalmente através da absorção e armazenamento em longo prazo pelas plantas, nos solos, nas formações geológicas e no oceano.

Os principais agentes do sequestro de carbono são os organismos fotossintetizantes como plantas, algas e bactérias. Esses organismos absorvem o CO2 atmosférico para a realização da fotossíntese, utilizando o carbono para a fabricação de moléculas orgânicas. Os ecossistemas florestais são grandes locais de sequestro de carbono. Suas árvores, principalmente em fase de crescimento, demandam uma quantidade muito grande desse elemento para se desenvolver. Cada hectare de floresta em desenvolvimento é capaz de absorver de 150 a 200 toneladas de carbono. O tronco de uma árvore é composto por cerca de 80% de carbono e uma única árvore pode ser capaz de absorver 180 quilos de CO2.

Os oceanos também se mostram como um dos lugares mais promissores para o sequestro de carbono, já que cobrem a maior parte da superfície da Terra. As macroalgas e o fitoplâncton realizam fotossíntese para converter CO2 em açúcares da mesma forma que as plantas terrestres. Atualmente, eles retiram da atmosfera cerca de 1/3 do carbono emitido pela atividade humana, aproximadamente dois bilhões de toneladas métricas por ano. Assim, o processo natural de fotossíntese, seja em ecossistemas terrestres ou aquáticos, ajuda a diminuir consideravelmente a quantidade de CO2 na atmosfera.

O solo e as formações geológicas subsequentes também funcionam como locais de armazenamento de carbono. Quando os organismos morrem, são degradados por decompositores, liberando o carbono de volta no ambiente. Esse carbono pode ser dissipado voltando a fazer parte da atmosfera, mas também pode se depositar no solo ou no fundo de lagos, mares e oceanos. Em uma escala de tempo geológico, o carbono pode ser incorporado à litosfera, funcionando assim como um local de sequestro de carbono.

Além dos processos naturais, o sequestro do carbono pode ocorrer artificialmente através do armazenamento geológico. Esse tipo de processo consiste na ação humana para a captura de CO2 antes de entrar na atmosfera e sua injeção em formações geológicas. O CO2 é separado no processo de exaustão das indústrias por meio de um sistema de filtros, sendo comprimido e transportado até o local que vai servir como reservatório. Esses locais podem ser campos de petróleo já explorados ou em fase final de exploração, reservas de carvão mineral ou aquíferos salinos, que são lençóis de água subterrânea salobra não aproveitável.

Referências:

Amabis, J. M. & Martho, G. R. 2006. Fundamentos da Biologia Moderna: Volume único. 4ª Ed. Editora Moderna: São Paulo, 839 p.

Sites:

https://www.britannica.com/technology/carbon-sequestration

http://www2.lbl.gov/Science-Articles/Archive/sea-carb-bish.html

http://www.namepa.net/namepa-blog/2017/4/17/carbon-sequestration-and-the-ocean-how-will-our-waters-react

https://pubs.usgs.gov/fs/2008/3097/pdf/CarbonFS.pdf

https://super.abril.com.br/ideias/o-que-e-sequestro-de-carbono/