Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo)

Licenciada em Geografia (UFG, 2003)

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo – OPEP, com sede em Viena, na Áustria, é uma associação de países fundada por Irã, Iraque, Kwait, Arábia Saudita e Venezuela em 1960.

Histórico

Até a criação da OPEP, os principais países exportadores de petróleo do mundo – e que no período detinham a maior parte das reservas petrolíferas até então conhecidas – pouco se beneficiavam com a exploração do ouro negro. A maior parte dos astronômicos lucros ficavam nas mãos das empresas que faziam a exploração, refino, transporte e revenda do petróleo.

As sete irmãs – como eram conhecidas a maiores empresas petrolíferas – possuíam o monopólio sobre todas as etapas da produção e comercialização do petróleo no mundo. Eram elas,

As Estadunidenses: Exxon, Texaco, Amoco e Chevron; A anglo-holandesa Royal Dutch Shell e a britânica British Petroleum.

Essas grandes corporações controlavam o mercado mundial petrolífero. Determinavam o valor do combustível fóssil pago aos países produtores, bem como o valor de revenda ao consumidor final.

A OPEP surge, então na Conferência de Bagdá no dia 14 de setembro de 1960, para se contrapor as sete irmãs, que definiam o valor pago e o percentual – na maior parte das vezes, ínfimo – pelo direito à exploração do petróleo.

Objetivo

O objetivo oficial da organização, no entanto, é estabelecer uma política comum ao petróleo, protegendo os rendimentos dos países produtores. No entanto é visto como analistas políticos e econômicos com uma espécie de “cartel estatal”, uma vez que suas reuniões e acordos, desde a criação, estão centradas em estratégias para o controle do valor do petróleo a nível mundial.

A Opep

A OPEC (Organization of the Petroleum Exporting Countries) - em inglês - (2017) tem como membros os seguintes países:

Países fundadores: República Islâmica do Irã, Iraque, Kuwait, Arábia Saudita e Venezuela.

Demais países membros:

(País membro – Ano de adesão)

  • Qatar – 1961,
  • Indonésia – 1962,
  • Líbia – 1962,
  • Emirados Árabes Unidos – 1967,
  • Argélia – 1969,
  • Nigéria – 1971,
  • Equador – 1973,
  • Gabão – 1975.

Idas e voltas

Por questões políticas e relacionadas aos acordos econômicos, algumas nações passaram por períodos de afastamento da OPEP, no entanto as vantagens de participação na organização fizeram com que estes membros retornassem. Vejamos:

Equador que entrou no grupo em 1973, suspendeu a sua participação em 1992, e retornou em 2007.

A Indonésia – que aderiu à OPEP em 1962 – saiu da organização em 2009, e regressou em 2016, para mais uma vez sair no final deste mesmo ano.

O Gabão findou sua participação em 1995. Retornando 21 anos depois, em 2016.

A crise do petróleo e a OPEP

Os países da OPEP, detém cerca de 80% das reservas mundiais de petróleo. E são responsáveis por significativa parcela do combustível exportado. Este privilégio foi essencial para a primeira grande crise do petróleo ocorresse.

Aproveitando a circunstância política produzida pela Guerra do Yom Kippur – quando Egito e Síria atacaram Israel - os países membros da OPEP, em 1973 provocaram um abusivo aumento de mais 300% no valor pago ao barril do petróleo. Este aumento provocou uma grave crise mundial, especialmente nos países importadores de petróleo como o Brasil.

Em razão da crise, muitos países que dependiam do petróleo importado, passaram a racionar o produto, aplicar recursos no aumento da produção interna e investir maciçamente em outras fontes energéticas.

Fontes:

SENE, Estáquio. MOREIRA, João Carlos. Geografia Geral e do Brasil – Espaço Geográfico e Globalização. 3 – Ensino Médio. São Paulo: Editora Scipione, 2014.

http://www.opec.org/opec_web/en/about_us/24.htm

Arquivado em: Geografia