Exercícios - Região Nordeste

Compilação de questões sobre a região Nordeste do Brasil.
Ler artigo Região Nordeste.


Exercício 1: (PUC-RIO 2008)

Em relação à diversidade fisiográfica de cada estado federado da região Nordeste brasileira, as unidades político-administrativas mais e menos sertanejas são, respectivamente:


Exercício 2: (ADVISE 2009)

Em se tratando da Região Nordeste do Brasil vale destacar que:

I. A zona da mata é a área de maior concentração demográfica e urbana, nesse trecho do Nordeste temos importantes atividades econômicas relacionadas aos distritos industriais, petroquímica e monocultura canavieira e cacaueira;

II. Do ponto de vista sócio-econômico, o Nordeste apresenta os mais elevados índices de pobreza do país. Problemas como o analfabetismo, desnutrição, mortalidade infantil, subemprego, moradia precária, falta de assistência médica e de educação são alguns exemplos;

III. A economia regional é frágil, descapitalizada e totalmente controlada por algumas oligarquias locais ou por grandes empresas estrangeiras associadas ao capital nacional e regional;

IV. Tanto a produção algodoeira e de agave, quanto à produção de pecuária extensiva estão inseridas em áreas litorâneas e do Recôncavo baiano, a exemplo do cacau.

São itens incorretos:


Exercício 3: (UFF 2008)

“Os fatores de conservação transformaram o semi-árido em uma região aparentemente sem história, dada a permanência e imutabilidade dos problemas. Como se com o decorrer das décadas nada tivesse se alterado e o presente fosse um eterno passado. A cada seca, e mesmo no intervalo entre uma e outra, milhares de nordestinos foram abandonando a região. Sem esperança de mudar a história das suas cidades, buscaram em outras paragens a solução para a sobrevivência das suas famílias. Foi nos sertões que permaneceu inalterado o poder pessoal dos coronéis, petrificado durante o populismo e pela migração de milhões de nordestinos para o sul” (VILLA, Marco Antonio. Vida e morte no sertão: história das secas no Nordeste nos séculos XIX e XX. São Paulo: Ática, 2000, p. 252).

Com base no trecho acima, é possível concluir que: