Floema

Por Marilia Araujo
O floema é o principal tecido condutor de substâncias orgânicas das plantas vasculares. Como o xilema, o floema também pode ser primário ou secundário e suas principais células (que são originadas do meristema apical) responsáveis pela condução da seiva são os elementos crivados.

Sendo que esses elementos podem ainda ser de dois tipos: células crivadas ou elementos do tubo crivado. Curiosamente recebem essa denominação pela semelhança que o aglomerado de poros em sua estrutura tem com um “crivo”. É por esses poros que se faz possível conectar protoplastos de células vizinhas (ou companheiras, como na figura ao lado). Algumas denominações (nomenclaturas) serão detalhadas a seguir:

  • Áreas crivadas: são áreas com aglomerados porulares.
  • Placas crivadas: são áreas crivadas com poros maiores que o comum, situadas nos elementos de tubo crivado.
  • Tubos crivados: são séries contínuas formadas longitudinalmente graças à união das porções terminais dos elementos de tubo crivado.

A célula crivada é bem menos especializada que o elemento de tubo crivado, apenas conduz substâncias orgânicas nas gimnospermas.

Existe uma substância que merece destaque: a calose. Esta substância é um polissacarídio que reveste ou preenche os poros das áreas e das placas crivadas. Ela é consequência, na maioria das vezes, de algum tipo de injúria que o vegetal sofra, por este motivo é também chamada de calose de injúria. Ocorre também, o depósito da calose em áreas crivadas e em placas crivadas que estão envelhecendo, e nesse caso então são conhecidas como calose definitiva.

O floema pode ser facilmente identificado, por exemplo, nos vegetais que apresentam um crescimento lateralizado (ou secundário) já que é a própria casca que recobre o caule desta planta.

Fontes:
http://www.biologiact4.blogs.sapo.pt
http://www.curlygirl.no.sapo.pt
http://pt.wikipedia.org/wiki/Floema