A Conquista Muçulmana da Península Ibérica

Por Antonio Gasparetto Junior
A Conquista Muçulmana da Península Ibérica selou o último reinado de um visigodo na Hispânia. Após a ocupação da península, os muçulmanos permaneceram na região por muitos séculos e foram influentes com sua cultura.

No início do período que denominamos de Idade Média, a Península Ibérica era dominada por reinos visigodos. Estes representavam um dos povos que o Império Romano considerava como bárbaro. Nesse momento, ainda não haviam Estados Nacionais, ou seja, Portugal, Espanha e França ainda não existiam como países na península. Havia, na verdade, uma variedade de reinos independentes.

Boa parte da Península Ibérica era ocupada pelos visigodos, que elegiam seus reis. No século VIII, o processo de sucessão do reinado visigótico gerou conflitos. Nessa ocasião, um grupo de descontentes com a sucessão do reino pediu ajuda militar a um governador muçulmano chamado Tárique. A partir de 711 iniciaram-se movimentações populacionais e militares lideradas por líder muçulmano. Estes vieram no norte da África e cruzaram o Mar Mediterrâneo, alcançando, por fim, a Península Ibérica.

A Conquista Muçulmana da Península Ibérica ocorreu com a vitória sobre o rei visigodo Rodrigo, a qual determinou o fim do Reino Visigótico de Toledo. Os muçulmanos se estabeleceram então na península e, progressivamente, foram ampliando suas conquistas territoriais. Em consequência do domínio territorial e militar, veio também a influência cultural.

A região da Península Ibérica se consolidou como uma região muito adepta ao cristianismo. A invasão dos mouros fez misturar povos com culturas distintas, gerando uma sociedade muito heterogênea. Árabes, berberes, muçulmanos, moçárabes, cristão arabizados e judeus passaram a conviver na região. Dentre todos eles, os moçárabes eram maioria na população da Península Ibérica, desfrutavam de liberdade de culto e leis próprias. Entretanto deviam o pagamento de imposto pessoal de captação e imposto predial sobre o rendimento das terras. Os moçárabes eram os indivíduos que já habitavam a região e mantiveram a sua religião com a invasão dos mouros, mas adotaram as formas de relacionamento externo usadas pelos muçulmanos.

Desde a invasão da Península Ibérica, os cristão da região tentaram expulsar os muçulmanos e restituir o domínio no local. Mas o processo de reconquista durou todo o período da Idade Média. O processo todo se dividiu em três fases. Na primeira os muçulmanos se estabeleceram na península e eram submetidos ao Califado de Damasco. Na segunda fase, o emirado islâmico tornou-se independente. E na terceira fase, os cristãos intensificaram o processo de reconquista, desestruturaram o emirado e novos reinos cristãos surgiram. Neste momento, surgiu na Península Ibérica o Estado de Portugal e os reinos de Castela, Leão, Navarra e Aragão, os quais viriam a se tornar o Estado da Espanha.

Após oitocentos anos de tentativa de reconquista, o processo só foi se completar no início da chamada Idade Moderna quando os reis católicos, Fernando e Isabel, expulsaram definitivamente os muçulmanos e o Estado da Espanha foi unificado, em 1492.

Fontes:
http://terrasdesantiago.planetaclix.pt/intrhistsantiagosumula03.htm
http://www.libanoshow.com/home/cultura_arabe/iberica.htm
http://www.worldology.com/Europe/early_dark_ages_2.htm