Fortalezas Militares

Por Felipe Araújo
Fortificações são estruturas planejadas para a defesa de territórios em tempos de guerra. A palavra deriva do grego "fortis", que significa forte; e facere (fazer). Este tipo de construção é erguido há milhares de anos e possui uma infinidade de variações. Tecnicamente, sua composição conta com duas ou mais baterias de artilharia, que tem sua distribuição em obras independentes e possuem longo intervalo entre si. Porém, um forte também pode ser composto por uma ou mais baterias na mesma construção.

Uma fortificação pode significar, também, o aperfeiçoamento da defesa de certa área. Isso é feito com a melhora das fortalezas militares e trabalhos defensivos. Por exemplo, existem algumas instalações militares conhecidas como fortes, porém, tais fortes nunca recebem fortalecimento.

Existem diversos tipos de fortificação, para categorizá-los, foram definidos dois tipos.

Fortificações de campanha (de campo)

Normalmente tem que ser erguidas rapidamente durante uma guerra. As tropas, no campo, utilizam materiais encontrados no local e que não exigem muita preparação. Terra apiloada, sacos de areia e madeira de mato são alguns exemplos. Dentro desta categoria ainda são consideradas as fortificações semipermanentes. Estas, no desenrolar de uma guerra, são necessárias para proteger alguma área propiciando defesa por mais tempo. De rápida construção, podem ser feitas com o trabalho de civis.

Fortificações permanentes

Este tipo é erguido com todos os recursos que o Estado dispõe e dura muito mais do que a fortificação de campanha. São utilizadas as melhores formas construtivas e mecânicas, além do uso de materiais duradouros. Este tipo de fortificação passa por constantes mudanças e aperfeiçoamentos.

No Brasil, os portugueses ergueram mais de 350 fortificações em dois séculos e meio. Estas fortalezas também eram chamadas de fortes, fortins, redutos, redentes, presídios, trincheiras, portões, feitorias, baterias, vigias ou hornaveques. A maior concentração de fortalezas no Brasil ocorreu em Belém, Recife, Salvador, Rio de Janeiro e Santos.

Em Belém, por exemplo, havia o Forte do Presépio. Esta foi a primeira fortaleza a ser construída na Amazônia (1616), pois havia muita cobiça estrangeira na região. Uma boa parte destas construções transformou-se em monumentos históricos e a maioria  está sob administração do Exército Brasileiro.

Uma das fortificações mais antigas é o Forte dos Reis Magos, que foi construído em Natal no ano de 1598. Hoje em dia, é um sítio histórico mantido pelas Forças Armadas e pela prefeitura de Natal, sendo uma das principais atrações turísticas da cidade. Já em Pernambuco, há o Forte do Brum, que abriga um museu histórico.

Fontes:
http://www.cdocex.eb.mil.br/site_cdocex/Arquivos%20em%20PDF/FORTIFICACOES_HISTORICAS_DO_BRASIL.pdf
http://pt.wikipedia.org/wiki/Fortaleza_%28arquitetura_militar%29#Elementos_da_fortaleza
http://www.universia.com.br/materia/materia.jsp?id=6634