Decadência do Império Bizantino

Por Alex Federle do Nascimento
Durante onze séculos o Império Bizantino resistiu a uma série de conflitos que perduraram dentro e fora do seu território. Mesmo sendo considerado um dos Estados mais fortes e que obtinham poderes no mediterrâneo, o império teve de enfrentar diversos conflitos que ao longo do tempo fê-lo enfraquecer. Os bizantinos tentaram oficializar o cristianismo, tentativa que não deu certa, pois com a sua decadência inseriu-se a religião muçulmana como oficial. Já durante o século V, podemos perceber como se deu parte do processo da decadência do império mais poderoso de todos os tempos, devido as invasões dos povos bárbaros destruir o império ocidental, mantendo uma centralização no oriente.

Durante o período em que Justiniano se encontrava no poder, esse imperador conseguiu combater todos os tipos de manifestações ocorridas que poderiam vir a abalar o seu reinado. Esse ainda, conseguiu retomar o antigo império do ocidente, conquistou território ao norte africano, porém, entre os séculos VII e X, o Império Bizantino acabou perdendo boa parte dos territórios que tinha sido conquistado, sofrendo invasões dos germânicos, búlgaros e persas. Basílio II recuperou o território, no entanto, o império foi logo invadido novamente (por volta de 1071).

Um dos fatores que influenciaram para a derrocada do Império Bizantino foi a Quarta Cruzada, pois acabou desagregando suas forças entre 1204-1261. Chegando ao século XIV, podemos perceber as invasões otomanas ocorridas em Galípoli (1354); Adrianópolis (1362); Constantinopla (1422); Tessalônica (1430), sem obter êxito; e novamente em Constantinopla (1453), nesta última com êxito - leia A Queda de Constantinopla.

Com todas essas ameaças que foram se desencadeando ao longo do império que começaram a surgir a partir do século XI. Assim, as invasões se intensificaram, nos Bálcãs províncias bizantinas foram submergidas; os normandos tomaram a Sicília e as outras partes das áreas bizantinas; os turcos seldjúcidas tomaram a Síria e privou o império na utilização das rotas comerciais. O Império Bizantino foi restaurado durante a dinastia dos Paleólogo que reduziram-se algumas ilhas do Egeu, a pequena área da Ásia Menor da Península. Contudo, seus recursos eram restringidos. Mesmo conseguindo se prolongar, o império ía a cada instante ficando ainda mais debilitado devido a uma série de conflitos que ocorreram interna e externamente. Ao longo do século XIV, os turcos otomanos ocuparam a Ásia Menor, reduzindo apenas à cidade de Constantinopla.

Algumas consequências durante a tomada de Constantinopla em 1453 (data de transição do medievo ao modernismo: o surgimento do grande império Turco-Otomano; o controle da cultura clássica que era preservada em Constantinopla.

Leia também:

Bibliografia:
ARAUJO, Adriene. Idade Média. Alta Idade Média – Império Bizantino. Disponível em: http://www.juliobattist.com.br/tutoriais/adrienearaujo/historia008.asp, acessado em 08/03/2010.

BORGES, Lucio Machado. A Queda de Constantinopla e o Mediterrâneo Bizâncio – História Virtual. Disponível:  http://contextopolitico.blogspot.com/2009/06/queda-de-constantinopla-e-o-html. Acessado em 26 de fevereiro de 2010.