Formação do Império Bizantino

Por Alex Federle do Nascimento
Retornando ao século IV em meio a um período de conturbações dentro do Império Romano, formou-se neste momento o que ficou conhecido historicamente por Império Bizantino, no local da antiga colônia grega de Bizâncio foi fundada por Constantino I a cidade de Constantinopla (atual Istambul, capital da Turquia).  Em Roma, o imperador Teodósio dividiu o Império Romano em dois eixos: Ocidente e Oriente.

No Império Romano do Oriente sempre se teve uma boa abertura comercial, e ainda, por apreender uma abastada agricultura e obter bons lucros em suas relações com o Ocidente, acabou sendo menos afetado durante a crise do escravismo. Sendo que, o império proporcionou contrastes com as sociedades da Europa Ocidental. O desenvolvimento agrícola e comercial fortaleceu o império para uma posterior resistência a invasores. As atividades desenvolvidas levaram a formação de uma mistura de elementos ocidentais com orientais gerando um enorme aparato, principalmente na cultura, enriquecendo as cidades de beleza. Porém, essa cultura não sobreviveu muito tempo, pois foi substituída pela helenística.

A decadência e a ruralização Ocidental levaram Constantino a construir a cidade de Constantinopla (no Oriente), assim, firma suas origens em Roma. A sua construção ocorreu entre o Mar Negro e o Egeu. Os bizantinos mantiveram uma política de subordinação ao despotismo e a uma teocracia monárquica. A formação populacional deu-se através dos povos sírios, judeus, persas, gregos e egípcios.

Dentro do Império Bizantino, a autoridade era o imperador, este recebia o auxílio de uma extensa burocracia, o imperador era o componente fundamental das estruturas políticas dominantes (exercia seus poderes no exército e na igreja). A tática adquirida pelo o Império Bizantino (apelando para a guerra e utilizando uma diplomacia para afastar e/ou englobar diversos povos enfraquecidos por sua dominação) fez com que ele cruzasse por onze séculos.

Já que estamos falando de divisão política, destacamos aqui os responsáveis pela formação, crescimento e resistência do Império Bizantino, sendo os seguintes: Constantino (fundador da cidade de Constantinopla – na época era a capital do Império Romano Oriental); Teodósio (responsável pela divisão efetiva do império); e Justiniano (este acabou sendo de todos os imperadores o mais destacado, pois utilizou uma política extensionista, formulou o Corpo do Direito Civil e foi responsável pela construção da Igreja Santa Sofia).

Na sociedade bizantina teve-se uma discussão em torno da fé cristã, o que induziu para o surgimento de heresias. Essa discussão seguiu com diversas interpretações sobre a origem e natureza de Cristo (essa discussão representava vários negócios, fossem econômicos, políticos e/ou eclesiásticos). Logo após as heresias inicia-se um período de declínio.

Leia também:

Bibliografia:
ARAUJO, Adriene. Idade Média. Alta Idade Média – Império Bizantino. Disponível em: http://www.juliobattist.com.br/tutoriais/adrienearaujo/historia008.asp, acessado em 08/03/2010.

Império Bizantino. Continuação do Império Romano no Oriente. “Rica em prestígio, mais rica ainda em dinheiro. Disponível em: http://www.culturabrasil.org/bizancio.htm, acessado em 13 de fevereiro de 2010.

O Império Bizantino. Disponível em: Áticahttp://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=78, acessado em 13 de fevereiro de 2010.