Sensacionalismo

Sensacionalismo é o nome que se dá para uma certa postura na comunicação em massa, em que os eventos e assuntos das histórias são exibidos de maneiras muito exageradas, para aumentar a audiência dos telespectadores ou dos leitores. Pode incluir notícias sobre assuntos insignificantes e eventos que não influenciam a sociedade em geral, além de envolver apresentações tendenciosas de temas populares de uma maneira trivial, em formas de tablóide. Algumas táticas conhecidas incluem abordagens insensíveis, apelações emotivas, criação de polêmicas, notícias com fatos intencionalmente omitidos. Basicamente, quaisquer formas de se obter forte atenção popular.

Toques do sensacionalismo já poderiam ser notados na Roma Antiga com sua Acta Diurna: que eram relatos e anúncios oficiais que eram produzidos e exibidos diariamente em murais públicos, que serviam para espalhar as notícias para as populações não alfabetizadas. O sensacionalismo também pode ser encontrado em livros do século XVI, no entanto, os historiadores afirmam que essa era apenas uma forma de ensinar lições de moral para as pessoas. O sensacionalismo surgiu como uma forma de trazer um novo nicho de audiência para as notícias. Esse método de jornalismo foi fortemente usado sobre as classes sociais inferiores, classes essas que tinham menos interesse em obter informações s sobre outros assuntos como política e economia. Assim, o público se sentia mais interessado nos jornais.

Esta prática não é um fenômeno isolado e peculiar, pois faz parte de um processo histórico e cultural, sendo influenciado por matrizes tão bem sucedidas quanto, como a pornografia, o melodrama, o folhetim, a literatura de horror, a literatura fantástica e o romance policial.

A modalidade de sensacionalismo que conhecemos hoje, veio da França. Entre 1560 e 1631, surgiram os "Nouvelles Ordinaires" e "Gazette de France". Esses impressos eram muito parecidos com os jornais sensacionalistas da atualidade. Antes do surgimento desses primeiros jornais, sempre que ocorriam acontecimentos que chamavam a atenção e tinham potencial de mexer com a imaginação do povo francês, elas eram transformadas em publicações extremamente baratas, chamadas "occasionnels".

O objetivo principal do sensacionalismo é aumentar, ou manter, a quantidade de telespectadores e leitores das publicações, e daí aumentar o preço de ser seus espaços de anúncios, e, finalmente, elevar os seus lucros. Obviamente, essa atitude pode diminuir o foco jornalístico aos assuntos mais objetivos, pois muitas vezes escolhas editoriais são baseadas em histórias sensacionalistas para aumentar a receita com a publicidade. Além disso, os anunciantes tendem a ter uma preferência por seus produtos ou serviços que devem ser sempre ser exibidos de forma positiva na mídia de massa, o que pode contribuir, ainda mais, para a parcialidade de um noticiário.

Em casos extremos, os meios de comunicação podem noticiar uma situação se importando apenas de essa produzirá uma boa história, sem levar consideração para a exatidão factual ou a relevância da informação. Desse modo, notícias com alegações falsas podem ser fortemente cobertos pela mídia. A mídia sensacionalista expõe programas e jornais em que se divulgam livremente temas chocantes como a violência, devido a todo o apelo que esse tipo de tema tem sobre a população. Muitas vezes, sem levar em consideração o impacto cultural causado na sociedade, apresentando fatos distorcidos ou completamente modificados.

Fontes:
http://sensacionalismo.sites.uol.com.br/home.html
http://en.wikipedia.org/wiki/Sensationalism

Arquivado em: Jornalismo